RETROSPECTIVA 2012 - MELHORES POSTS DO ANO (SEGUNDO MEU JULGAMENTO)


Pois então, se todo mundo faz, farei aqui também, segue uma lista de doze postes publicados ao longo do ano. Obviamente, a escolha baseou-se na subjetividade do meu gosto. Escolhi um de cada mês do ano.

Janeiro


Fevereiro

Março

Abril

Maio

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro

MINHAS LEMBRANÇAS DO NATAL


Hoje, véspera de Natal, com o intuito de escrever esse post, fui rebuscar minhas referências dessa data comemorativa. A lembrança mais remota que tenho dessa época de festa é do início da década de setenta, eu era um garotinho, uns cinco anos, acho, e ficava animadíssimo com a montagem da “vinatal”, era assim que eu chamava a árvore de Natal. Não me reporto a esses detalhes através de relatos de terceiros, são lembranças minhas que permanecem vivas apesar de longínquas.

Lembro-me que meu tio Janja - irmão da minha mãe – era o técnico da montagem, isso porque o pisca sempre dava problemas. Antigamente tudo custava caro, uma lampadinha queimada era um tormento. Tio Janja retirava a lâmpada queimada e colocava papel laminado retirado de maços de cigarros.  Ele parecia o McGywer em ação. Incrédulo eu via a série de luzes voltar a piscar depois da gambiarra implementada pelo meu tio. A explicação era bem simples: quando uma das lâmpadas apagava, a série era interrompida e o resto não funcionava. O papel laminada, com sua cobertura metálica, introduzido no bocal, reconectava a série e tudo voltava ao normal como num passe de mágica.

O Natal da minha infância também tem um referencial fortíssimo chamado “Festa do Ypiranga”. Era uma tradição nos arredores onde eu morava. Nas semanas antecedentes ao Natal, o “Parque de Diversões Democrata” se instalava numa área militar próxima a estação ferroviária do Ypiranga, e tudo era festa. Ainda hoje o parque funciona, já está armado, mas não tem a tradição e o brilho do passado, os tempos são outros.  Hoje em dia ele funciona bem perto do antigo local, na margem oposta da linha férrea, dentro do campo do Clube Ferroviário. 

Quando criança eu nunca entendia porque quase todas as referências do Natal remetiam ao inverno, se dezembro era o mês do verão. Descobriria mais tarde que o mês de dezembro no hemisfério norte é o mês do inverno. O Papai Noel, o pinheiro, a neve, tudo era de lá. Quando comecei a estudar e a burilar o meu intelecto, "aprendi" que esse Natal com referências estrangeiras era errado, o certo era um outro  que me foi apresentado.

Aprendi sobre os autos de natal, as manifestações folclóricas. A festa estrangeira das minhas lembranças de infância eu tentava deixar de lado. Um belo dia, ironicamente assistindo a uma aula espetáculo de um bastião da cultura nordestina, Ariano Suassuna, aprendi uma grande lição. Disse ele, no meio da aula: ”Durante uns vinte anos eu tomei cafezinho no trabalho só porque os outros diziam que era bom, em casa eu nunca tomava. Deixei de lado esse habito que era dos outros, não meu”.

Percebi, a partir desse valioso exemplo, que o Natal “certo” que aprendi burilando o meu intelecto, era certo para os outros, o Natal errado, com neve, Papai Noel, Árvore, Manjedoura, esse era o da minha lembrança. Ainda tem aqueles chatos que pregam que o Natal refere-se apenas, e tão somente, à questão religiosa. Tudo bem, respeito, mas minhas lembranças são minhas, ninguém pode mudar. Minha árvore continua sendo armada todo ano, para mim é um momento de felicidade. Feliz Natal para todos!

O QUE FAZER NAS FÉRIAS


Pois então, o mundo não acabou e os bons ares das férias começam a soprar pras bandas de Ca. Para quem, como eu, trabalha o dia inteiro, trinta dias longe dos afazeres cotidianos (obrigatórios) é uma felicidade sem tamanho. O grande lance desse período de ócio, para a grande maioria, é se desligar do mundo e desestressar. Para mim não.

Tem gente que nesse período viaja para um lugar paradisíaco, no meio do nada, e passa o dia deitado numa rede tomando água de coco e olhando as ondas do mar. Eu morreria de tédio em menos de uma semana, com certeza. A questão é a seguinte: Por que tenho de deixar de fazer um monte de coisas que gosto durante as férias? Adoro acessar a internet, escrever no blog, andar pelo centro da cidade, ir ao cinema, garimpar nos sebos da cidade, tocar violão com os amigos. Durante o ano todo tenho que me desdobrar para fazer as coisas que gosto porque o tempo é exíguo. Quando chega o período de férias e tenho tempo de sobra, o “correto” é viajar para o meio do nada e me privar das coisas que gosto.

Dirão os críticos de plantão: “Mas você não gosta de viajar, conhecer lugares novos?” Claro que gosto, mas só por uns dias, não mais que isso. O bom de viajar, para mim, é o prazer de voltar para casa. Muitos pensam assim, poucos confessam. Tem gente fica numa casa de praia, entediado, olhando as paredes o ou a imensidão do mar, contando os dias para voltar para casa. Quando voltam, falam: “Passei uns dias num lugar maravilhoso”. Incompreensível.  Bom, paro por aqui, vou dar uma volta no centro!

CADA UM TEM O ÍDOLO QUE MERECE


Na última sexta-feira, pela manhã, estava dando aula – como faço cotidianamente – numa turma de 6º ano. De repente uma garota chega à janela e grita: “Sheldon está no portão!” Absolutamente todos os alunos correram e eu fiquei sozinho na sala. Minha aula foi para o espaço. Tenho uma filha adolescente e por isso sei que é esse tal de “Sheldon”. Um jovem da periferia que ganhou o estrelato (local) denegrindo a imagem das meninas. Mas elas gostam, sou testemunha ocular disso.

Fenômenos populares como esse se multiplicam com uma rapidez assustadora, é a parte – no meu subjetivo julgamento, claro - ruim do poder indiscriminado da mídia atualmente. Qualquer um pode trabalhar sua imagem e criar um personagem desses com alguns trocados, é fato. A periferia ganhou voz mas desperdiça essa força produzindo fenômenos efêmeros que banalizam a imagem das meninas tratando-as como objetos sexuais.

Eu poderia aqui lembrar do meu tempo de adolescente, falar das reuniões que fazíamos na minha casa para discutir música, mas, geralmente, esse tipo de discurso soa como papo de velho. Pois bem, não preciso voltar no tempo para justificar meus argumentos. Atualmente existe muita gente boa fazendo música de qualidade mas esse é um produto que não interessa a mídia nem a boa parte dos jovens. As “novinhas” gostam de ouvir e cantar versos que descrevem atos sexuais, usam palavras chulas, acabam com a beleza do ato sexual.

Enquanto escrevo esse breve texto estou ouvindo um cedê de Lennon que comprei em 1994 porque a música perene ultrapassa os limites do tempo, pode ser tocada no Natal, na manifestação pacifista, no protesto contra a opressão que as mulheres sofrem na sociedade, pode ser tocada em qualquer tempo em qualquer lugar. Cada um tem o ídolo que merece, os meus são eternos!

AS CONTRADIÇÕES DE UM CURSO DE GESTÃO


Volto a falar do curso de gestão promovido pelo Governo do Estado de Pernambuco, o PROGEPE, porque sinto-me profundamente incomodado pela forma como os professores participantes foram “certificados”. Cumprimos doze módulos em que foram tratadas, logicamente, questões voltadas à tortuosa tarefa de gerir uma escola.  Já teci, em outro post, comentários a respeito da organização do curso e do conteúdo oferecido, não vou mergulhar, de novo, nessa seara, a questão agora é outra.

Ao longo dos últimos anos, para se adequar a uma perspectiva construtivista, a forma de avaliação nas escolas passou por várias reformulações. Chegou-se a óbvia conclusão de que o processo avaliativo deve ser contínuo e nunca restrito a um momento, como se fazia no ensino dito tradicional. Tanto que a famosa “semana de provas” foi abolida – e proibida – na maioria das escolas da rede. As escolas integrais ainda utilizam-se desse período de aplicação de avaliações.  O discurso do processo contínuo é deixado de lado. Por quê? Não sei, rogo a quem souber a resposta do porquê dessa prática educacional incoerente, que me explique.

Os dois parágrafos acima servem de preâmbulo para a crítica que faço à forma de certificação do PROGEPE que também usou a velha e ultrapassada – segundo a própria Secretaria de Educação – avaliação final materializada  numa prova objetiva. O processo contínuo sugerido para a prática pedagógica nas escolas, ao que parece, não serve para avaliar os professores. Fiz a prova e alcancei a certificação, que fique claro. Mas alguns bons professores da minha sala, de boa argumentação e protagonistas de interessantes colocações ao longo do curso, não se saíram bem  e não foram “certificados”.

Absolutamente injusto avaliar um percurso de doze módulos em apenas um momento. As experiências e trocas de ideias vivenciadas ao longo do curso foram jogadas no ralo para quem não se saiu bem na provinha.  Uma citação extraída da apostila do módulo 11 do PROGEPE (p.09), que trata sobre avaliação, explica: “A classificação dos estudantes pode gerar estigmas que se complexificam ao longo da vida escolar caso não seja bem apresentada aos estudantes”. Avaliar um todo com base, apenas, em um momento, também resulta em estigmas.

Inevitavelmente, todos aqueles que não alcançaram nota suficiente para a aprovação estão sendo tratados como incompetentes e até incapazes. Muitos, inclusive, com anos de experiência na atividade de gestão. Até que uma nova oportunidade de “certificação” seja oferecida, vários professores carregarão o estigma da reprovação numa prova que não comprova nada. Triste!