Saudade da Banca do Elvis


Dia desses, ao passar pelo centro do Recife, mais precisamente pela Rua do Imperador, me vi parado na esquina ao lado do antigo prédio do Jornal do Comércio. Ali naquela esquina, durante anos, funcionou um point underground icônico do Recife, a “Banca do Elvis”. O “Elvis” em questão era o jornaleiro Ivan Passos. Até hoje guardo algumas relíquias compradas nesse lendário espaço: a Som Três especial publicada logo após a morte do Lennon, várias edições da Revista Bizz, bottons e muitas, muitas revistinhas de cifras de violão. O local era ponto de encontro de roqueiros e agitadores culturais. Uma curiosidade da banca era o famoso carimbo nas revistas que, nas entrelinhas, sugeria que no Brasil não existia rock: “Banca do Elvis, Discos de Rock e Nacionais”, um exagero, claro. Ivan passos faleceu em 2004 devido a problemas cardíacos, a famosa banca ficou fechada até o ano de 2006 quando a família de Ivan fez um acordo com a prefeitura que retirou o estabelecimento do local porque a cidade passava por um ordenamento no centro. Os familiares de Ivan Passos levaram a banca para a cidade de Paulista - Rua 5-A, nº285, Maranguape I -  e ela encontra-se fechada até os dias de hoje. Para os que frequentavam o local ficaram as boas lembranças!

Banca do Elvis 

À Sombra do Fascismo



O Professor Ed Cavalcante fala sobre a polarização política e o perigo do avanço do fascismo no Brasil.

Ibn Sina (Avicena), o "Príncipe dos Sábios"


Por: Max Altman – Opera Mundi

Ibn Sina, o Avicena, médico, filósofo, cientista e polímata persa, morreu em Hamadã em 18 de junho de 1037. Escreveu cerca de 300 livros sobre diferentes temas, predominantemente de medicina e filosofia. 

Seus textos mais famosos são O Livro da Cura e O Cânone da Medicina, também conhecido como Cânone de Avicena. Seus discípulos o cognominavam de Cheikh el-Rais – “príncipe dos sábios” – o terceiro grande mestre depois de Aristóteles e Al-Farabi. É considerado um dos principais médicos de todos os tempos.

Avicena nasceu em 7 de agosto de 980 em Afshana, atualmente Uzbequistão. Consta ter sido precoce em seu interesse pelas ciencias naturais e a medicina, tanto que aos 14 anos estudava sozinho. Foi enviado para estudar cálculo com um mercador. Tinha boa memoria e recitava largos trechos do Corão. Ainda joven estudou os saberes da época como física, matemática, filosofía, lógica e o Corão. Foi influenciado por um tratado de Al-Farabi que lhe permitiu superar as dificuldades em entender a Metafísica de Aristóteles. A precocidade nos estudos se refletiu na precocidade na carreira poisa os 16 anos já se aproximava de médicos famosos e aos 17 gozava de fama como médico por ter salvo a vida do emir Nuh ibn Mansur.


Conseguiu permissão para acceder à biblioteca real, onde ampliou seus conhecimentos de  matemática, música e astronomía. Converteu-se em médico da corte e conselheiro científico até a queda do reino samani em 999.

Em Hamadã, o emir Shams al-Dawla o escolheu como ministro. Dedicou-se de dia à coisa pública e de noite à ciencia. Aos 20 anos, escreveu 10 volumes chamados O Tratado do Resultante e do Resultado e um estudo dos costumes da época, A Inocência e o Pecado. Com esta obra, sua fama como escritor, médico, filósofo e astrônomo estendeu-se por toda a Pérsia.

Em 1021, a morte do príncipe al-Dawla e o começo do reinado de seu filho Samah cristalizaram as ambições e os rancores. Vítima de intrigas políticas, Avicena foi preso. Disfarçado de daroês, fugiu para Ispahán.

Com 32 anos deu início a sua obra-prima, o celebérrimo Cânone de Medicina, que continha a coleção organizada dos conhecimentos médicos e farmacéuticos de sua época. Durante uma expedição a Hamadã, atual Irã, o filósofo sofreu uma crise intestinal grave que contraiu, segundo disseram, por excesso de trabalho e de prazer. Tentou curar-se porém seu remédio lhe foi fatal. Morreu aos 57 anos, em agosto de 1037.

A obra de Avicena é de importancia capital, pois supõe a apresentação do pensamento aristotélico aos pensadores ocidentais da Idade Média. Foi traduzida para o latim no sécuylo 12, reforçando a doutrina aristotélica, fortemente influenciada pelo pensamento de Platão.

Avicena declarou ter lido em mais de 40 ocasiões a Metafísica sem chegar a entendê-la completamente. Mesclou a doutrina aristotélica com o pensamento neoplatónico, adaptando-os ao mundo muçulmano. Colocou a razão acima do ser e explicou que com isso se buscaría a perfeição. Teve grande influencia sobre pensadores do porte de Santo Tomás de Aquino, Buenaventura de Fidanza e Duns Escoto. Desenvolveu muito antes de Descartes um pensamento similar: o conhecimento indubitável da própria existencia. Identificou em muitos casos sua visão com a do cordobês Averroes que defendia a aproximação do isla com a filosofía grega.

Se bem que inclinado à mística, tratou o tema de modo objetivo. O ascetismo não lhe bastava, acreditava que se deveria buscar a iluminação como ato final do conhecimento. A iluminação se obtinha por meio dos anjos que atuavam como união entre as esferas celestiais e as terrestres. Avicena abriu camino para um novo ramo daq filosofía islámica, a sabedoria da iluminação ou ilumínica, a chamada Metafísica da Luz, inaugurada por seu seguidor Suhrauardi.

Teve grande influencia sobre pensadores do porte de Santo Tomás de Aquino, Buenaventura de Fidanza e Duns Escoto. Desenvolveu muito antes de Descartes um pensamento similar: o conhecimento indubitável da própria existencia. Identificou em muitos casos sua visão com a do cordobês Averroes que defendia a aproximação do isla com a filosofía grega.

Se bem que inclinado à mística, tratou o tema de modo objetivo. O ascetismo não lhe bastava, acreditava que se deveria buscar a iluminação como ato final do conhecimento. A iluminação se obtinha por meio dos anjos que atuavam como união entre as esferas celestiais e as terrestres. Avicena abriu camino para um novo ramo daq filosofía islámica, a sabedoria da iluminação ou ilumínica, a chamada Metafísica da Luz, inaugurada por seu seguidor Suhrauardi. A obra de Avicena é numerosa e variada. Escreveu principalmente no idioma culto de seu tempo, o árabe clásico, porém às vezes também no vernáculo, o persa.

Um de seus textos mais famosos é o Al Qanun, cânone de medicina, também conhecido como Cãnone de Avicena, enciclopédia médica de 14 volumes escrita por volta de 1020. Baseia-se numa combinação de sua própria experiencia pessoal, de medicina islámica medieval, dos escritos de Galeno, Sushruta e Charaka, bem como na antiga medicina persa e árabe. O Cânone é considerado um dos livros mais famosos da história da medicina.

A obra-mestra filosófica de Avicena á A Cura de marcado caráter enciclopédico. Seu compêndio á A Salvação. Pela sua extensão e pela importancia do papel que representou a al-Shifá (A Cura) pode comparar-se à al-Qanun. A Cura, publicada em 6 volumes, no Cairo, entre 1952 e 1965, é talvez a obra filosófica de maior dimensão feita por um só homem. Começa com lógica e inclui física e metafísica, botánica e zoología, matemática, música e psicología.

Outra grande obra, O Livro de Orientações e Advertências, trata de temas de filosofía e mística. Nesta obra aparece seu famoso argumento do Homem Voador, predecesor do ‘cogito, ergo sum’ cartesiano, em que expunha que um homem suspenso no ar, sem contacto com nada nem sequer seu próprio corpo, sem ver nem ouvir, afirmará sem dúvida que existe e intuirá seu próprio ser.

ONZE ANOS DE TECNOLOGIAS E BLOGS


Há onze anos, precisamente no dia 09 de junho de 2007, eu iniciava minha trajetória no mundo dos blogues. Nessa época a rede social mais popular do Brasil era o Orkut que nos deixou tantas saudades.  Foi um período marcado por mudanças bem radicais, saímos da internet discada para a internet de alta velocidade. Deixamos de lado os demorados downloads no eMule e descobrimos o “Megaupload” que reinou durante alguns anos enriqueceu o Kim Dotcom. Lembro-me bem quando testei pela primeira vez a Velox, parecia um sonho, e olhe que era uma conexão de 300 KB, impensável hoje em dia. Só para comparar, é para essa velocidade que sua conexão é reduzida quando você atrasa a sua conta hoje em dia, o que foi um sonho em 2007, é castigo em 2018, a tecnologia é assim, voraz e incessante.

Quem está ligado no futebol se deliciando com jogos diariamente na Copa da Rússia, também está experimentando uma grande novidade: a tecnologia a serviço da arbitragem, o famoso e polêmico VAR (Vídeo Assistant Refree), ou “Árbitro de Vídeo”. Polêmicas à parte, ele vem decidindo partidas, alterando decisões importantes, é a voracidade da tecnologia a que me referi no parágrafo anterior, ninguém escapa disso. Pense: você está numa situação corriqueira do cotidiano, bebendo com amigos num boteco qualquer, aí surge uma dúvida sobre o elenco de um filme. Antes da internet a discussão se prolongaria até que alguém se desse por vencido, hoje em dia basta uma consulta ao Google e pimba, dúvida desfeita. Resolvemos muitas questões da nossa vida com diversas consultas a diversos árbitros virtuais. Para uns isso é dependência, para outros é evolução. Consulte o Google e resolva essa questão!

O LIVRO DO LULA: BAIXE E-BOOK GRATUITO ATÉ O DIA 13/04


O LIVRO DO LULA: BAIXE E-BOOK GRATUITO!
Um livro necessário, uma leitura urgente. Diante de uma perseguição política sem precedentes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lança A VERDADE VENCERÁ: O POVO SABE POR QUE ME CONDENAM para contar a sua versão da história.
Até o dia 13/4 o e-book estará disponível para download gratuito! Compartilhe esta publicação e baixe o seu nas livrarias abaixo:
PREFERE LER EM PAPEL? LEVE DOIS, PAGUE UM NO SITE DA EDITORA!
Até o dia 13/4, quem comprar A VERDADE VENCERÁ no site da Boitempolevará 2 exemplares pelo preço de 1. É hora de levar o livro pra rua e de espalhar a defesa de Lula da história!
"Não fui eleito para virar o que eles são, eu fui eleito para ser quem eu sou. Tenho orgulho de ter sabido viver do outro lado sem esquecer quem eu era." – Lula
Além de extenso depoimento do ex-presidente, colhido por Juca Kfouri, Maria Inês NassifGilberto Maringoni e Ivana Jinkings, A VERDADE VENCERÁ conta com um prólogo assinado por Luis Fernando Verissimo, posfácio de Eric Nepomuceno, prefácio de Luis Felipe Miguel, um raio-x do caso Lula assinado por Rafael Valim, uma cronologia da vida de Lulaelaborada por Camilo Vannuchi e dois cadernos de imagens com fotografias de Ricardo Stuckert.
LULA NAS LIVRARIAS
A versão impressa do livro está disponível nas principais livrarias de todo o país. Confira abaixo links para lojas virtuais ou visite as livrarias mais próximas de você:
Lançado há menos de um mês, com tiragem inicial de 30 mil exemplares, o livro está na lista de mais vendidos da VEJA pela segunda semana consecutiva e acaba de entrar na lista do PublishNews.

Materializando a divisão do Brasil


A conversa ainda é, infelizmente, relacionada à triste morte de Marielle, mas não quero debater a tragédia, isso já está sendo feito exaustivamente pelos dois lados políticos que divide o Brasil atualmente. Quero tecer um breve comentário sobre aqueles que se incomodam e tentam desacreditar os movimentos sociais. A luta social no Brasil, como em tantos outros países, tem acertos e erros, evidentemente. Pois bem, independente do juízo de valor que se faça sobre a luta ferrenha que as camadas periféricas travam para sobreviver, o que mais assusta é a forma covarde como atuam alguns grupos – e pessoas isoladamente - para tentar desviar o foco do que realmente está acontecendo. Tomemos como exemplo o assassinato de Marielle e Anderson: quando as notícias da tragédia se propagaram pela mídia, logicamente, sabia-se que o atentado havia sido arquitetado para calar a boca de uma ativista que constantemente criticava os excessos da polícia contra as minorias. Isso ficou claro desde o início. A morte do motorista Anderson foi uma consequência do atentado direcionado para Marielle, ele estava na linha de fogo e tantos mais que estivessem morreriam também.  Quando as notícias começaram a circular o nome de Marielle, claro, aparecia com mais ênfase porque todos, absolutamente todos, sabiam que o alvo era ela. Indiferentes à gravidade desse ato de extrema violência, os militantes de direita e seus simpatizantes começaram a batalha para minimizar ou estancar de vez a comoção pela morte dela. O primeiro intento foi citar o nome do Anderson com o discurso batido: “Ele também morreu e ninguém fala”. O atentado foi contra Marielle e ele foi morto porque estava na linha de fogo, assim que a notícia foi tratada. 

Depois vieram os memes tentando criminalizar a imagem de Marielle, fakes veiculados, inclusive, por uma desembargadora. Por que essas pessoas se sentem a vontade em fazer esses absurdos? Porque o Brasil que eles estão acostumados tem essa configuração: os poderosos e seus seguidores podem fazer o que querem, a impunidade e a fragilidade do judiciário brasileiro colaboram para esse tipo de pensamento. A força dos movimentos populares está, aos poucos, revertendo esse quadro. Os grandes jornais – muitos dos quais viralizaram notícias falsas sobre Marielle – agora estão sendo obrigados (entendam como ‘obrigados’: ou publicam ou perdem a credibilidade) a revelar a grande farsa dos “fakenews” liderada pelo braço midiático da direita, o MBL. O Brasil está dividido mas essa divisão, antes imaginária, está se materializando, talvez assim as camadas periféricas tenham mais chances nessa luta!

DISCOS FUNDAMENTAIS DO ROCK BRASILEIRO - SEGUNDA PARTE


Blitz – As Aventuras da Blitz


Engenheiros – A Revolta dos Dandi


Capital Inicial - 1986
1.    Música Urbana
2.    No Cinema
3.    Psicopata
4.    Tudo Mal
5.    Sob Controle
7.    No Cinema
8.    Leve Desespero
9.    Linhas Cruzadas
11.  Fátima


Ira – Vivendo e Não Aprendendo


O Passo do Lui
1.    Óculos
2.    Meu Erro
3.    Fui Eu
4.    Romance Ideal
5.    Ska
7.    Me Liga
9.    Menino e Menina


Lulu Santos – O Ritmo do Momento
3.    Você Teima
6.    Chicana
7.    Seu Mal
8.    Moon Da Lua
9.    Metal Leve
10.  Tudo
11.  Tudo Mais


RPM – Rádio Por Minuto


Kid Abelha – Seu Espião


Ultraje – Nós vamos invadir Sua praia
3.    Mim Quer Tocar
4.    Zoraide
5.    Ciúme
6.    Inútil
7.    Marylou
8.    Jesse Go
9.    Eu Me Amo


Titãs – Õ Blesq Blom