Identificando algumas referências literárias e históricas de "Cordel Encantado"

A novela global, Cordel Encantado, para quem ainda não percebeu, é uma colagem de vários textos clássicos. Só pra citar alguns: “O Homem da Máscara de Ferro” (Alexandre Dumas), “O Conde de Monte Cristo” ( Alexandre Dumas), “Grande Sertão :Veredas” (Guimarães Rosa) e referências sobre a saga do cangaceiro Lampião, da Guerra de Canudos e do Brasil Império.

Identificando As Referências

Na trama, o Rei Augusto e a Rainha Cristina viajam da fictícia Seráfia do Norte para o Brasil em busca de um tesouro escondido pelo fundador de seu reino. Uma clara referência a transferência da Família Real Portuguesa para o Brasil. A forma como os personagens da corte lidam com a honra e a corrupção marcam essa analogia.

As referências a Guimarães Rosa estão na estética da obra, que retrata um sertão cheio de licenças poéticas e, claro, a Diadorim, um dos personagens centrais de “Grande Sertão: Veredas”. No livro, a filha de um fazendeiro assume a figura masculina de um jagunço, “Diadorim”, para mergulhar no universo do pai. Acaba protagonizando uma intrigante história de amor com final trágico. A sexualidade de Diadorim é revelada, apenas, na sua morte, para desespero do apaixonado Riobaldo.

Na novela global a reedição dessa história tem como protagonistas “Doralice” (Natália Dill) e “Jesuino” (Cauã Reymond). Ele, filho de um cangaceiro, acaba formando seu próprio bando para combater Timóteo Cabral. Ela, filha do prefeito, assume a figura do cangaceiro “Fubá” e entra para o bando do amado Jesuino. Assim como no texto de Guimarães Rosa, a sexualidade da garota só é revelada quando ela é ferida em combate.

As referências a Alexandre Dumas são explícitas: o "Duque Petrus" (Felipe Camargo) é aprisionado numa masmorra, a mando da "Duquesa Úrsula" (Débora Bloch), amargando o castigo de usar uma máscara de ferro. A forma como Petrus escapa da masmorra foi copiada, literalmente, do texto de “O Conde De Monte Cristo”: ele fingiu-se de morto ocupando o lugar de um velho, companheiro de cela, cujo corpo é jogado no mar.

As referências a Canudos são a vila de Brogodó, que reproduz a vila original da guerra, com casas de taipa e pau-a-pique e o personagem “Miguézim”, um religioso apocalíptico baseado na figura de Antônio Conselheiro.

Por fim, a referência ao cangaceiro Lampião e seu bando, representado na novela pelo “Capitão Herculano” (Domingos Montagner), um cangaceiro que é pai do personagem principal da trama, o jovem Jesuino.

O resultado dessa mistura, de tão diferentes universos literários e estéticos, é uma surreal narrativa muito diferente do padrão normalmente adotado nas novelas, mesmo as de época. Outra novidade está na forma como o folhetim foi filmado, em “24 quadros”, se assemelhando a imagem de película. A produção, calcada no universo nordestino, apesar dos costumeiros erros na construção do sotaque, é uma feliz novidade.

Campeões da Fórmula 1 - Primeira parte: Os cinco primeiros campeões

Nino Farina
Emilio Giuseppe  Farina, ou Nino Farina (Itália) (Turim, 30 de outubro de 1906 — Aiguebelle, 30 de junho de 1966) foi o primeiro campeão da Fórmula 1, venceu o campeonato de 1950 correndo pela Alfa Romeo. Nino Farina disputou duas temporadas – sendo a segunda, em 1955, pela Ferrari – completando 34 GPs, com vinte pódios e cinco vitórias.
Fangio
 
  Juan Manuel Fangio (Argentina) (Balcarce, 24 de junho de 1911 — Buenos Aires, 17 de julho de 1995). Durante muitos anos foi o maior recordista de títulos da Fórmula 1, sendo superdo, apenas, por Michael Schumacher. Fangio ganhou cinco títulos: 1951 pela Alfa Romeo, 1954 pela Maserati, 1955 pela Mercedes, 1956 pela Ferrari e 1957 de novo pela Maserati. Disputou 8 temporadas, 52 GPs, teve 24 vitórias, 35 pódios e 29 pole positios.
Alberto Ascari
 Alberto Ascari (Itália) (Milão, 13 de julho de 1918 — Monza, 26 de maio de 1955) teve dois títulos 1952 e 1953, ambos pela Ferrari. Disputou 6 temporadas correndo, além da Ferrari, pela Maserati e pela Lancia. Obteve, em 33 GPs disputados, 13 vitórias, 17 pódios e 14 pole positions.
Mike Hawthorn
 John Michael Hawthorn, ou Mike Hawthorn (Inglaterra) (Mexborough, 10 de abril de 1929 — Farnham, 22 de janeiro de 1959). Mais conhecido como Mike Hawthorn, foi o campeão de 1958 correndo pela Ferrari. Seu título é um dos mais contestados da Fórmula 1. Teve apenas uma vitória, mas somou mais pontos do que seu compatriota Stirling Moss. Um fato curioso envolvendo esses dois corredores ocorreu no GP de Portugal. Hawthorn cometeu uma infração – empurrou o carro – e seria desclassificado. Moss intercedeu em favor dele e Hawthorn acabou sagrando-se campeão. Disputou 47 GPs, obteve apenas 3 vitórias, 18 pódios e 4 pole positions.
Jack Brabham
 Sir John Arthur Brabham, ou simplesmente, Jack Brabham, (2 de abril de 1926) é um corredor australiano detentor de três títulos: 1959-60, pela Cooper, e 1966 pela Brabham. Disputou 16 temporadas entre 1955 e 1970, conquistando 14 vitórias, 31 pódios e 13 pole positions em 128 GPs.

 Confira, abaixo, imagens do primeiro Grande Prêmio, realizado em Monza (1950), com destaque para Nino Farina, o primeiro campeão.

NOS TEMPOS DE JORGE CHAU

Das lembranças mais antigas que tenho da pioneira TV Jornal, os programas do anárquico comunicador, Jorge Chau, são as mais engraçadas. O cara era uma espécie de “chacrinha local”. Natural do estado de Alagoas, Jorge Albuquerque de Sá, o “Jorge Chau”, trilhou um caminho marcado pela irreverência. Iniciou sua carreira na Rádio Tabajara de João Pessoa, em 1941, com apenas 17 anos. Nessa época criou um programa que revelava novos artistas, “Valores Novos”, que tem no currículo a descoberta do grande mestre da sanfona, Sivuca.

Jorge Chau trabalhou na Rádio Excelcior da Bahia onde teve problemas com suas declarações polêmicas. No meio de um programa, falou que daria uma pausa e iria tocar uma sequência de músicas porque estava com fome. Foi suspenso e acabou pedindo demissão. Jorge Chau, que nessa época ainda usava o nome artístico de “Jorge Sá”, retornou ao Recife, cidade onde havia estudado, para tentar carreira nas rádios pernambucanas.

No Recife, ele trabalhou na Rádio Tamandaré e transferiu-se posteriormente, por influência de Assis Chateaubriand, para RádioClube, onde adotou o sobrenome artístico “Chau”, cunhado nos programas policiais que apresentava carregados de irreverência. Mas a história artística desse alegórico apresentador ganharia força com seu ingresso na televisão.

Na TV Jornal, Jorge Chau apresentou três programas: “A Hora do Chau” (1971), “Jorge Chau Show” (1973) “Programa Jorge Chau” (1977). Mesmo na fase decadente, quando a tevê local começou a perder espaço para as transmissões em rede nacional, Jorge manteve a veia cômica como seu principal recurso. Apresentava um programa num estúdio minúsculo onde recebia gente do povo e artistas populares em início de carreira. Fazia brincadeiras com premiações bizarras como pacote de macarrão, vidro de fortificante, óculos usados e até  passe de ônibus.

Jorge Chau morreu pobre e esquecido, no dia 21 de Janeiro de 2002, aos 85 anos, no Recife. Nem mesmo nos programas locais ele aparecia. Essa, segundo os amigos mais próximos, era a sua maior mágoa. Vasculhei o Youtube à procura de imagens dos hilários programas dele, mas nada encontrei. Infelizmente, a riquíssima história da TV Jornal se perdeu no tempo devido aos problemas econômicos que a emissora enfrentou na década de oitenta. Uma pena. Ao grande Jorge Chau, meus respeitos!

O SOM INSTRUMENTAL DA COR

No final da década de 70 "A Cor do Som" começou a frequentar as rádios alternando sucessivos hit's. Primeiro foi Beleza Pura, assinada por Caetano Veloso, depois veio o estrondoso sucesso de Zanzibar, uma parceria entre Armandinho e Fausto Nilo que, segundo os autores, “É só uma brincadeira com um monte de frases que não querem dizer nada”. Seja como for, a música abriu portas para o grupo baiano e eu me interessei em ouvir.

O interessante nessa minha relação com A Cor do Som foi a surpresa que tive quando descobri que a banda não era só – e tão somente – aqueles hist's que tocavam no rádio. Quando ouvi o elepê “Mudança de Estação”, de 1981, descobri o outro lado da banda, o universo instrumental. A faixa inicial, “Saudação a Paz” (Mú), lembra a abertura de um festival de música com o destaque da guitarra baiana de Armandinho e os teclados de Mú duelando. A faixa 03, “Ar de Baião”(Aroldo/Armandinho), é o melhor instrumental de todos os discos da Cor. Uma combinação perfeita de guitarra baiana e bandolim, ambos executados com maestria por Armandinho. No meio da canção ainda tem um solo do baixo equalizado de Dadi. Perfeito!

O disco traz ainda, na faixa 06, “Apanhei-te Mini-mog”(Mú), uma referência a Ernesto Nazaré - Apanhei-te Cavaquinho – mas não é um choro, é um discreto forró. Na faixa 07, outro espetáculo, a canção “Escapuliu Tudo Arreia”(Pepeu Gomes) começa como uma oficina sonora. Mú experimenta sons, efeitos e de repente a guitarra baiana de Armandinho, em perfeita simetria com os rifes de teclados, despeja solos. Completam a lista  as discretas “Swing”(Ary, Gustavo e Joazinho) faixa 09, “Voo da Borboleta”(Armandinho/Dadi), faixa 11, e “Cinema Mudo”(Mú), faixa 12.

Vale ressaltar que “Mudança de Estação” é um disco misto, tem sete faixas cantadas, das quais, três foram hit's na década de 80: “Zero”(Armandinho/Fausto Nilo), “Alto Astral” (Mú/Evandro Mesquita) e “Mudança de Estação”(Paulo Leminski). Depois da audição desse disco, me apaixonei por discos instrumentais da Cor do Som: “A Cor do Som” (1977), e o “Ao Vivo Em Montreaux” (1978).

Em 1982 a Cor do Som lançou o “Magia Tropical”, primeiro disco sem Armandinho. Para a árdua missão de substituir o virtuoso músico, foi escalado o argentino Victor Biglione, ótimo guitarrista com formação jazzística. A saída da guitarra baiana mudou o som da Cor. Na canção “Ping Pong”(Mú/Victor Biglione), faixa 04, Victor Biglione destila solos leves, sem distorção, com fortíssima influência do jazz. O mesmo se aplica a faixa 07, “A Semente Mágica”(Mú), em que o piano de Mú divide a cena com um sax tenor pra lá de jazzístico. Na faixa 09, um dos grandes momentos do disco, a canção “Outras Praias”(Victor Biglione). Victor Biglione toca violão como se estivesse dedilhando uma guitarra, uma marca dele. Muito bom! Mas o melhor do disco está na faixa 10, a canção “O Balão Vai Subir”(Mú), uma mistura de forró com rock que traz no final um solo apoteótico de Victor Biglione. Perfeita!

A Cor do Som tem outros bons discos, mas isso é assunto para outro post.

Clique aqui e acesse o site oficial da banda.

ARQUEOLOGIA YOUTUBEANA VOL. 05 - GREASE - CENA DO PARQUINHO

ONTEM E HOJE - VOL. 02

 



A






"O HOMEM DO FUTURO" E O REMAKE DE MAIS UM CLÁSSICO DA LEGIÃO URBANA


O vídeo abaixo é uma peça promocional da comédia “O Homem do Futuro”, estrelado por Wagner Moura e Aline Morais, que estreia dia 02 de setembro no circuito nacional. Essa anárquica releitura de um dos grandes clássicos da Legião Urbana - “Tempo Perdido” - foi divulgado na quinta feira passada e já tem quase cinco mil acessos.

O filme, dirigido por Cláudio Torres, conta a história do cientista Zero (Wagner Moura) que durante vinte anos amargou as agruras de uma desilusão amorosa. Numa experiência em que ele tentava criar uma forma revolucionária de energia, acabou voltando, acidentalmente, ao passado, justamente na época em que foi humilhado pelo grande amor da sua vida. Zero decide encontrar a si mesmo, mais jovem, e tentar corrigir os erros do passado.

O Homem do Futuro” é uma coprodução da Conspirações Filmes, Paramount Pictures, Globo Filmes e Lereby. Além de Wagner Moura (Zero) e Aline Moraes (Helena), traz no elenco Maria Luiza Mendonça (Sandra), Gabriel Braga Nunes (Ricardo) e Fernando Ceylão (Otávio).

Enquanto setembro não vem, curta o vídeo e relembre mais esse clássico da Legião ganhando, de quebra, uma hilária performance de Wagner Moura e Aline Moraes.

Clique aqui e acesse o site oficial do filme.

GRIGORY PERELMAN, A MATEMÁTICA E O DESPREZO PELO DINHEIRO


Histórias sobre intelectuais que vivem em auto reclusão, estamos cansados de ouvir, mas  o caso do genial matemático russo, Grig­ory Perel­man, 45 anos, extrapola qualquer limite. Famoso no mundo acadêmico por ter apresentado uma demonstração da “Conjectura de Geometrização de Thurston”, aceita como a resolução da “Conjectura de Poincaré”, o problema matemático mais complexo de todos os tempos, Perelman espantou o mundo, em março do ano passado, ao recusar-se a receber o prêmio de um milhão de dólares referente a resolução do famoso problema. Ele também recusou-se a receber o “Fields Medal”, o mais importante prêmio da matemática.

Sobre a Conjectura de Poincaré

Foi formulada em 1904 pelo matemático francês Henri Poincaré sendo considerada, logo após a sua apresentação, o problema matemático mais complexo de todos os tempos. Segundo as principais universidades da Europa e dos Estados Unidos, a conjectura de Poincaré é de fundamental importância para a compreensão de formas tridimencionais. O grande feito de Perelman foi encontrar a constatação algébrica que elevou a conjectura à categoria de teorema.

Você, certamente, já deve ter ouvido alguém dizer, com tom de preconceito: “Estudou tanto, que endoidou”. Essa observação simplista, normalmente, parte de uma pessoa que não gosta de estudar e quer agredir alguém que estuda. No caso do matemático Grigori Perelman, ao que parece, seu intelecto alcançou um nível tão elevado que ele se desencantou com a matemática por falta de desafios.

O genial matemático largou tudo em 2006 e foi morar com a mãe, num modesto apartamento em São Petersburgo que, segundo os vizinhos, está infestado de baratas. Além disso, Perelman adotou um visual de eremita (foto acima) com barba e cabelos longos. O jornal britânico Daily Mail publicou algumas declarações de vizinhos do matemático que comprovam a vida excêntrica adotada por ele: “Ele tem ape­nas uma mesa, um ban­quinho e uma cama com um lençol sujo que foi deix­ado ali pelos anti­gos donos, uns bêba­dos que venderam o aparta­mento para ele” - “Esta­mos ten­tando acabar com as baratas nesse quar­teirão, mas elas se escon­dem na casa dele” (Vera Petrovana).

Assim como Perelman, outras figuras ilustres, por motivos diferenste, também se fecharam para o mundo. O escritor J. D. Salinger, autor do best-seller “O Apanhador No Campo de Centeio”, após publicar o livro, viveu recluso até a morte. A atriz Greta Garbo seguiu o mesmo caminho, trocou o glamour de Hollywood por um modesto e fechado apartamento em Nova York onde morreu em 1990.

Grig­ory Perel­man afirmou que tem tudo que precisa no seu apartamento. Quem vai dizer o contrário? Sobre ter recusado o prêmio de um milhão de dólares, ele afirmou: “A simples comprovação da minha teoria já é um prêmio”. Nada mais há que se dizer.

GAME OF THRONES, MAIS DO QUE O ESPERADO


Game Of Thrones é mais um tiro certeiro da HBO. A saga das sete famílias que lutam pelo controle da fictícia terra de “Westeros” encanta pela grandiosidade. A produção é uma adaptação de um dos livros da série “As Crônicas de Gelo e Fogo” de George R. R. Martin publicado em 1997.

O primeiro aspecto a se destacar nessa produção é a fotografia que, mesmo digitalizada, incrivelmente, parece natural. Basta lembrar de “Trezentos” e “Spartacus: Blood and Sand”, que também usaram o computador para criar cenários, mas acabaram ficando com aspecto de games. Outro grande destaque é o desempenho de Sean Bean (Senhor dos Anéis, Troia, A Morte Pede Carona) que interpreta o protagonista “Eddard Stark”. O veterano ator, sem dúvida, vive um de seus melhores momentos. O personagem denso, que alterna cenas dramáticas e de ação, não é tarefa fácil.

Em Game Of Thrones, felizmente,  o enredo é mais importante do que as cenas de ação e efeitos especiais. A história é uma recriação da Europa Medieval com um monte de licenças poéticas. Em Weteros, por exemplo, as estações do ano chegam a durar décadas. Algumas gerações de guerreiros viveram a maior parte da  vida no gelo. O eixo central da trama é a luta de sete famílias de nobres pelo controle de Weteros. As principais, “Stark”, “Lannister” e “Baratheon”, protagonizam o enredo.

Como quase todas as séries da HBO, as cenas de sexo estão presentes em quase todos os episódios. O enredo traz, ainda, um incesto declarado. Essa temporada tem apenas uma mancada: a cena em que Khal Drogo derrete um punhado de joias de ouro, em questão de segundos, numa fogueira, para castigar o ambicioso Viserys Targaryen. Os roteiristas viajaram total!

No geral, foi uma primeira temporada impecável, recomendo!

Destaques do elenco:

Lena Headey : Impecável na pele da ambiciosa“Cersei Lannister”, esposa do rei bonachão Robert Baratheon.

Peter Dinklage : O ator anão que interpreta Tyrion Lannister, o “Duende”, é responsável por ótimos momentos nessa primeira temporada.

Iain Glen : Interpreta o carismático Ser Jorah Mormont, o fiel escudeiro de “Daenerys Targaryen”. É um personagem importante na trama que aparenta esconder um mistério que envolve Daenerys.


GEOGRAFIA CIBERNÉTICA: O IPV6 E O ESGOTAMENTO DO ESPAÇO VIRTUAL


O grande público que se diverte ou trabalha via web não percebeu, mas a grande rede vive um momento importante de transição. Trata-se da substituição do antigo IP (protocolo de internet) implantado na década de noventa, o IPV4, cujo limite de endereços, cerca de quatro bilhões, já foi esgotado. O IPV6, versão atualizada do protocolo de internet, que vem sendo implantada gradativamente, suporta um volume de endereços superior a 3,4x1038 (340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456), número inimaginável. O mês de julho próximo foi o prazo estipulado para completar a transição entre as duas versões de IP.

O grande problema do esgotamento do espaço virtual  deve-se ao fato de que a internet não foi criada para fins comerciais, a rede nasceu direcionada para o mundo acadêmico. Rapidamente ganhou popularidade na década de noventa e hoje em dia é o maior meio de comunicação do planeta. Além do mais, todas as grandes corporações financeiras do mundo operam pela internet. A rede ganhou uma importância geopolítica tão grande que as grandes potências mundiais, encabeçadas pelos Estados Unidos, canalizaram recursos para viabilizar e dinamizar a implantação do novo protocolo de internet.

Já existe um número incontável de projeções, baseadas no volume atual de implantação de endereços, que tentam definir quando a nova versão de IP começará a caducar. A implantação do IPV6, entre outras coisas, resolverá o problema de espaço melhorando, consideravelmente, o trânsito na rede e aumentará a segurança já que muitos dos defeitos do antigo protocolo foram corrigidos. No Brasil, de 2003 até hoje, segundo o IPV6.br, mais de 300 sistemas autônomos já adotaram o novo protocolo.

A bem pouco tempo seria inimaginável discutir questões referentes a ocupação do espaço virtual. Lembro-me que quando entrei para o mundo acadêmico (meados da década de 90) uma polêmica agitava o Departamento de Geografia da UFPE. Numa aula inaugural, o chefe do Departamento de Ciência da Computação – não recordo o nome do indivíduo – encerrou sua fala alardeando: “A internet é uma realidade, a Geografia acabou”. Imagine como nós, recém-ingressos no curso, ficamos.

Quase duas décadas depois, ironicamente, a Geografia se renova invadindo os domínios da internet, território que, segundo o apocalíptico professor, seria a causa da sua derrocada. Como geógrafo, me especializei em ocupação desordenada do solo urbano. Vários aspectos abordados na minha pesquisa podem ser aplicados ao uso do espaço virtual. Taí um bom tema para ser desenvolvido: “A Ocupação Desordenada do Espaço Virtual”. A Geografia não morreu, está mudando de dimensão.

CARTOON MEMORY VOL. 01 – OS IMPOSSÍVEIS (1966)

Os Impossíveis foi uma série animada criada pelos estúdios Hanna-Barbera que narrava as aventuras de uma banda de rock do mesmo nome. Na verdade, a banda era um disfarce que escondia três heróis que combatiam o crime: o Homem-Mola (Coil Man), o Multi-Homem (Multi Man) e o Homem-Fluido (Fluid Man). 
O desenho era claramente inspirado nos Beatles. Vários desenhos foram produzidos nessa época tendo bandas de rock como protagonistas. Foram produzidos cerca de 36 episódios  exibidos na CBS. Posteriormente, a série  foi transformada em histórias em quadrinhos pela editora “Gold Key”, sendo lançado, inclusive, no Brasil pela editora “O Cruzeiro”.

Sinopse
A banda de rock “Os Impossíveis” escondia a identidade secreta de três heróis: Homem-Mola, um especialista em saltos, Homem-Fluido que tinha o poder de se transformar em água e o Multi-Homem, que tinha o poder de se multiplicar. Invariavelmente, no meio de um show, eles recebem uma mensagem secreta informando sobre algum ato criminoso. O chefe Big D aparece numa telinha de tevê no braço da guitarra do Homem-Mola. O seu palco móvel se transformava em um carro voador, o Impossicar, e então combatiam o crime após gritarem a famosa frase: "Vamos nós..." ("Hally Ho!").

Ficha Técnica
Nome Original: The Imposibles
Nome No Brasil: Os Impossíveis
Emissora de Origem: CBS
Ano: 1966
Produtor: Estúdios Hanna-Barbera
Número de Episódios: 36
Formato: Episódios de 06 minutos
Dubladores Originais
Homem-Mola: Hal Smith
Homem-Fluido: Paul Frees
Multi-Homem: Don Messick
Dubladores Brasileiros
Homem-Mola: Gastão René
Homem-Fluido: Older Cazarré
Multi-Homem: Carlos Alberto Vaccari

O JORNÁLIA COMPLETA HOJE QUATRO ANOS

Nesses quatro anos foram 360 postagens, mais de 108 mil visitas, novos amigos do Brasil e do mundo nessa atividade que se tornou um saudável vício porque, afinal, informação é poder! Obrigado a todos que por aqui passaram e que de alguma forma contribuíram para o enriquecimento dessa página!

PS: Clique aqui e acesse a postagem inical do Jornália

"EDUARDO E MÔNICA", CANÇÃO DA LEGIÃO URBANA, VIRA PEÇA PUBLICITÁRIA

Há algumas semanas circula na rede a informação de que mais uma canção de Renato Russo, a épica “Eduardo e Mônica”, viraria filme. Ontem foi divulgado um vídeo que alguns sites importantes estão tratando como “o trailer do filme”. Na verdade, trata-se de uma ótima peça publicitária, de uma operadora de telefonia, criada em cima da clássica canção da Legião Urbana. O filme é belíssimo, muito bem produzido e se encerra com uma mensagem direcionada a todos os “Eduardos e Mônicas” do Brasil.

Seja como for, não dá para negar o fato de que a Legião Urbana está em evidência esse ano. O longa “Faroeste Cabolclo”, baseado na música homônima,  deve ser lançado no segundo segundo semestre desse ano (postei aqui), e está em fase de pré-produção o longa “Somos Tão Jovens”, que mostrará a adolescência de Renato Russo que será interpretado por Thiago Mendonça. Confira, abaixo, a peça publicitária produzida pela “02 Filmes” baseado na canção “Eduardo e Mônica”:


ARQUEOLOGIA YOUTUBEANA VOL. 04: JORNAL NACIONAL - COBERTURA DA MORTE DE JOHN LENNON - 1980

ONTEM E HOJE - VOL. 01














UM CLÁSSICO DA LEGIÃO URBANA SE MATERIALIZANDO NO CINEMA


Antigamente, quando o tempo me sobrava, sempre que comprava um disco novo, passava horas e horas ouvindo até decorar as letras. Era como um ritual. Normalmente, ao final do dia,  cantarolava as minhas canções preferidas do bolachão de vinil.

Lembro-me que que meu maior desafio, entre tantos rituais de iniciação de disco novo, foi “Faroeste Caboclo”, da Legião Urbana (Que País é Este – 1978/1987). Essa épica canção sempre me despertou a ideia de um filme porque era um enredo cantado. Sempre achei a saga candanga de João de Santo Cristo um retrato fiel da periferia das grandes cidades brasileiras, sobretudo do Recife.

Pois bem, outro dia descobri – o que quase todo mundo já sabia – que “Faroeste Caboclo” está se materializando convertida num filme sob a batuta do diretor René Sampaio. Os protagonistas desse faroeste shakespeariano serão interpretados por Fabrício Oliveira (João de Santo Cristo) e Íris Valverde (Maria Lúcia). Quem tem a letra da canção na cabeça tem uma sinopse da história, inclusive, do final trágico a la Romeu e Julieta. Mas ao meu ver, o grande lance dessa adaptação é a devida importância que a obra – tão contestada pelos intelectuais – de Renato Russo passa a ostentar.

Renato Russo é um dos grandes letristas do rock brasileiro mas sempre foi tratado como inferior pelos críticos e imprensa, de maneira geral. Não me surpreende, tantos outros artistas marginalizados venceram pelo cansaço, com ele não será diferente. Faroeste Caboclo tem estreia prevista para o segundo semestre desse ano, aguardo ansioso. Enquanto o filme não vem, ouça a canção  interpretada pela equipe de produção e atores do filme: 
 

OS BANHEIROS DA CASA DA CULTURA


Ontem de manhã, estava de passagem pelo centro da cidade e resolvi visitar a Casa da Cultura, um importante ponto turístico do Recife. Precisei ir ao banheiro e dei de cara com o deplorável cenário que mostram as fotos abaixo. Inaceitável o descaso da prefeitura com um local que é visitado diariamente por turistas do Brasil e do mundo. Lembro-me que há alguns anos, na tentativa de manter a ordem e a limpeza do local, cometeram a inacreditável grosseria de colocar um zelador sentado entre os dois banheiros com um rolo de papel higiênico na mão. Dependendo da necessidade do usuário, era só falar com o cara da porta. Inominável!

Sugiro a administração da Casa da Cultura que visite os shoppings da cidade que, mesmo quando estão lotados, conseguem manter os banheiros limpos. É uma questão de respeito!



LISTAS DE ESPERA


A história é o seguinte, olhei para minha estante e vi duas listas de espera: uma de livros e outra de devedês. Desde que me tornei um professor full-time – ou um workaholic forçado – tenho protelado alguns prazeres antes cotidianos. Na lista de espera de livros estão:

*A releitura de “O Apanhador No Campo de Centeio” (J.D Sallinger): Li na adolescência e, há um mês, comecei uma releitura. Parei no segundo capítulo;

*Os Beatles e a Filosofia (Michael Baur e Streven Baur): Deliciosa viagem filosófica pelo universo beatle. Iniciei uma leitura técnica (anotações, grifos, essa coisas) desse livro e parei no segundo capítulo;

Esperando a vez:

*Dossiê Beatles (Daniel Rodrigues Aurélio)
*Bandeira Nordestina (Jessier Quirino)
*Girando a Chave Templária (Robert Lomas)
*Os Templários – História e Mito (Michael Haag)
*Os Carbonários (Alfredo Sirkis).

Quanto aos devedês, não vou listá-los, são muitos, mas o fato é que, assim como os livros, repousam na estante à espera de atenção. O importante nessa história é fazer o possível e o impossível para que pessoas, sobretudo as que amamos, não entrem nessa lista de espera. O trabalho é parte importante na vida de uma pessoa, mas não é tudo. Leia, beije, viaje, cante, vá ao cinema, acabe com as listas de espera. Vou ler um livro!