AS CONTRADIÇÕES DE UM CURSO DE GESTÃO


Volto a falar do curso de gestão promovido pelo Governo do Estado de Pernambuco, o PROGEPE, porque sinto-me profundamente incomodado pela forma como os professores participantes foram “certificados”. Cumprimos doze módulos em que foram tratadas, logicamente, questões voltadas à tortuosa tarefa de gerir uma escola.  Já teci, em outro post, comentários a respeito da organização do curso e do conteúdo oferecido, não vou mergulhar, de novo, nessa seara, a questão agora é outra.

Ao longo dos últimos anos, para se adequar a uma perspectiva construtivista, a forma de avaliação nas escolas passou por várias reformulações. Chegou-se a óbvia conclusão de que o processo avaliativo deve ser contínuo e nunca restrito a um momento, como se fazia no ensino dito tradicional. Tanto que a famosa “semana de provas” foi abolida – e proibida – na maioria das escolas da rede. As escolas integrais ainda utilizam-se desse período de aplicação de avaliações.  O discurso do processo contínuo é deixado de lado. Por quê? Não sei, rogo a quem souber a resposta do porquê dessa prática educacional incoerente, que me explique.

Os dois parágrafos acima servem de preâmbulo para a crítica que faço à forma de certificação do PROGEPE que também usou a velha e ultrapassada – segundo a própria Secretaria de Educação – avaliação final materializada  numa prova objetiva. O processo contínuo sugerido para a prática pedagógica nas escolas, ao que parece, não serve para avaliar os professores. Fiz a prova e alcancei a certificação, que fique claro. Mas alguns bons professores da minha sala, de boa argumentação e protagonistas de interessantes colocações ao longo do curso, não se saíram bem  e não foram “certificados”.

Absolutamente injusto avaliar um percurso de doze módulos em apenas um momento. As experiências e trocas de ideias vivenciadas ao longo do curso foram jogadas no ralo para quem não se saiu bem na provinha.  Uma citação extraída da apostila do módulo 11 do PROGEPE (p.09), que trata sobre avaliação, explica: “A classificação dos estudantes pode gerar estigmas que se complexificam ao longo da vida escolar caso não seja bem apresentada aos estudantes”. Avaliar um todo com base, apenas, em um momento, também resulta em estigmas.

Inevitavelmente, todos aqueles que não alcançaram nota suficiente para a aprovação estão sendo tratados como incompetentes e até incapazes. Muitos, inclusive, com anos de experiência na atividade de gestão. Até que uma nova oportunidade de “certificação” seja oferecida, vários professores carregarão o estigma da reprovação numa prova que não comprova nada. Triste!


Comments

3 Responses to “AS CONTRADIÇÕES DE UM CURSO DE GESTÃO”

2 de dezembro de 2012 14:21

Concordo contigo colega, vou mais além, se os módulos tivessem sido trabalhados em tempo adequado e não simplesmente jogados, estas distorções que vc tão bem citou teriam sido evitadas, lembro que ao final dos módulos, muitos dos colegas que hoje não encontram-se certificados, entregavam suas respectivas avaliações em branco. Não faziam uso de sua palavra para sugerir ou criticar a forma de condução para um progamam que visava a formação dos condutores das escolas da rede. É lamentável que apenas alguns, tenham este censo crítico, que vc, como mediador, tem e que tanto combatí durante os meus sábados de curso. Notadamente ví colegas que estavam mais preocupados em ir embora o mais rápido possível, do que olhar além do óbvio. Tb fui certificado como vc, mas não me acho mais capaz, tão pouco menos, dos que foram certificados ou que não a obtiveram. Mas que fique a lição e que todos se questionem quanto aos outros gestores das várias instâncias da administração pública, quantos diretores de hospitais públicos tem certificação em gestão hospitalar? Quantos são os gestores dentro dos orgãos do nosso governo estadual que possuem uma certificação em gestão? Porém, só pra variar, fomos omissos e não tivemos força, por motivos que ja abrem uma outra discussão, simplesmente aceitamos o processo e pronto. Na grande maioria pagamos por sermos uma classe tão desunida. Que este espaço que vc criou seja o início de uma nova era, que cabeças críticas e desbitoladas surjam e mostrem-se em suas opiniões.

Prof. Wagner Souza disse...
2 de dezembro de 2012 15:36
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Adriano Santos disse...
8 de dezembro de 2012 10:22

Professor é muito pertinente a sua colocação, pois no último sábado com aula, tive a preocupação de perguntar a uma das
coordenadoras sobre o processo de avaliação do PROGEPE. A minha preocupação era justamente esta incoerência entre o que se prega
e o que se pratica. A resposta que obtive foi: " apenas terá a certificação aquele que obtiver a nota 7,0 na prova." Fiquei indignado, pois
tudo o que vivenciamos, durante as aulas presenciais e também as virtuais, foi desprezado no processo avaliativo. Como se concebe
numa gestão como esta, uma visão tão retrógrada de avaliar? É realmente lamentável!