A DIFÍCIL ARTE DE RECONHECER OS PRÓPRIOS ERROS

A difícil arte de reconhecer os próprios erros faz muita gente trocar os pés pelas mãos.  Um bom exemplo: eu costumava comentar em um blog de um amigo virtual, esse amigo, craque no trato com as palavras, vez por outra, corrigia meus deslizes gramaticais no meu blog. Aceitava, claro, as correções e agradecia pela valorosa contribuição. Eis que um belo dia percebi um equívoco numa publicação dele, alertei para o erro e ele, sabe-se lá por que, desconversou, inventou uma história e persistiu no erro. A tal da humildade foi deixada de lado e eu, claro, deixei de visitar o dito blog.

Assim como na historia narrada acima, muitos outros episódios da vida cotidiana vão nos dando lições e motivos para fazermos escolhas. Os caminhos são muitos, mas a vida, de forma implacável, ensina.  Na escola percebo que a maioria dos alunos ignora essas lições de forma deliberada ou, pela pouca experiência de vida, faz pouco caso apenas para afrontar o “poder estabelecido” representado pela escola na figura do professor.

A lógica adotada nesses casos é a do “quero aprender errando”. Esquecem que o valor das lições contidas nos erros, é fundamental, apenas, quando estes ocorrem de forma involuntária. Errar sabendo que está errando não agrega conhecimento nem experiência nenhuma, é meramente uma prática de rebeldia sem causa, inócua, estéril.

Pior ainda é não reconhecer o erro por arrogância e falta de humildade.  Vemos muito isso no mundo acadêmico, é quase uma regra entre aqueles que se escondem por trás de títulos.  Existe uma estratificação que determina as castas que podem comentar, criticar e, em último caso, corrigir. Quem tenta subverter essa regra, em geral, caminha sobre um tapete de pedras que vão sendo atiradas do alto das cátedras.  O bom é que de vez em quando alguém consegue transpor esses obstáculos e algumas máscaras caem. Assim é a vida.


Comments

No responses to “A DIFÍCIL ARTE DE RECONHECER OS PRÓPRIOS ERROS”