SOBRE O TOLO SENTIMENTO DE JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS

Quando critiquei Raquel Sheherazade, numa rede social, muitos a defenderam, logicamente, tomados pelo tolo sentimento de justiça com as próprias mãos. Movidos por esse sentimento – tolo, repito – uma mulher inocente foi linchada até a morte.  Eu e o Boechat, que lucidamente mando um recadinho no vídeo abaixo, gostaríamos de saber o que ela pensa sobre esse triste episódio. 



Adendo: vi, hoje, uma interessante observação da Carata Capital (a matéria é creditada a ‘redação’) que identifica, mesmo nesse manifesto do Jornal da Band, um argumento “estilo Sheherazade” no comentário final da repórter Ticiana Villas Boas, companheira de Boechat no telejornal. Seguem o comentário da repórter e a observação:

 "E, para piorar, [a vítima do linchamento] era uma pessoa inocente", afirmou Villas Boas, ecoando o argumento estilo Sheherazade segundo o qual o espancamento seria menos pior caso a vítima fosse um criminoso.

Comments

One response to “SOBRE O TOLO SENTIMENTO DE JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS”

Antonio Ferreira disse...
7 de maio de 2014 09:44

Quando acontece algum fato violento como assalto, morte violenta com alguma pessoa próxima a nós, nosso sentimento é de querer fazer justiça com as próprias mãos, só que, consumir este ato é um retrocesso em todo processo da construção da civilização e das leis, se matam bandidos e se matam inocentes, e agora o que fazer, ir pra máquina do tempo e voltar???