PEQUENA HISTÓRIA SOBRE A PIRATARIA

Tinha eu meus 16 anos, lá pelos idos de 1982 (ufa!), minha principal ocupação diária, além de estudar, era levar o almoço do meu pai no centro do Recife. Na volta, quando o ônibus contornava a av. Guararapes e passava por trás dos correios, todos os dias, eu ficava frustrado. Motivo: via estampado na vitrine da loja de discos "A Modinha" a capa do "Magia Tropical", um dos melhores discos da Cor do Som, já sem o Armandinho (substituído a altura pelo argentino Victor Biblione). Eu não tinha grana pra comprar! Um lançamento em lp, naquela época, era tão caro quanto um lançamento em cd ou dvd da época de hoje. Restava-me navegar nas ondas do rádio. Fico pensando: os jovens de hoje não passam por esse problema, a pirataria ( que tinha um coceito diferente no passado, não era cópia e sim criação não autorizada) igualou o acesso a esse bem cultural, música deixou de ser artigo de luxo, todo mundo agora pode ouvir um lançamento! As gravadoras já estão sentindo o peso dessa concorrência e estão reagindo com reedições em cd de discos do passado com preços populares. Comprei recentemente "O Passo do Lui" e "Selvagem" dos Paralamas que não pude comprar na época do lp. A pergunta é: a pirataria, tão abominada pelas elites, tem seu lado bom? opinem!!!!!!!!!

Comments

4 Responses to “PEQUENA HISTÓRIA SOBRE A PIRATARIA”

Inaldinho disse...
20 de agosto de 2007 19:40

Oi Ed!
Dificil comentar sobre isso, mas
na minha opnião hoje em dia tudo é muito massificado, comercial, para não dizer descartável, feito para vender... eu mesmo não aturo! Até 10, 15 anos atrás havia muita coisa alternativa, diferente, inovadora nas rádios! havia rádios especializadas, hoje em dia as rádios estão todas generalizadas, sem contar a própria MTV que no inicio foi mais alternativa.

Anônimo disse...
24 de agosto de 2007 03:08

Ed, teu ponto de vista é pertinente... hoje o acesso é muito fácil e acho que a pirataria "contribuiu" para que as gravadores baixassem os preços... Porém eu sou totalmente contra o cd ou dvd piratas, uma vez que há ramificações desse comércio com crime organizado... Mas o que me impressiona não são as pessoas mais pobres que agora podem comprar e sim aqueles afortunados que saem do Chopin Recife e comprar cd por 3 reais no camelô!

Sidclay disse...
24 de agosto de 2007 03:09

Esse anônimo aí sou eu, Sidclay

Edgar disse...
29 de agosto de 2007 19:16

Deixa eu me intrometer um pouquinho??? A pirataria aqui no Brasil, como Edvaldo falou, consiste apenas em copiar o produto que já está pronto (no caso o CD ou o DVD ou ...). Porém a pirataria fora do Brasil não funciona assim, na Inglaterra, para citar um exemplo, piratas são restos de gravações de bandas ou artistas que ficaram esquecidas ou perdidas em estúdio e até mesmo aquelas que não serviram - na opinião dos autores - para compor a obra final. Por exemplo, tenho um CD (muito bom, só não sei por onde anda...) que só tem restos de estúdio dos Beatles, Strawberry Fields Forever tem 14 regravações diferentes (massa cada uma), Penny Lane tem 18, se não me falha a memória. Ah, e quanto a diminuição dos preços impostos pelas gravadoras como Sidclay falou, não notei muita diferença, baixou mas só um pouquinho, continuo achando inviável um CD valer R$ 45,00 (pomba, é muito caro).
Fui..