A NOITE ESCURA DE MADRE TERESA DE CALCUTÁ

Madre Teresa de Calcutá foi, sem dúvida, uma das figuras mais admiráveis de todos os tempos. A obra social que essa senhora construiu, ao longo do seu sacerdócio, é inimaginável. Madre Teresa era, antes de tudo, uma figura do povo. Do povo pobre, aquele que estava abaixo da linha de pobreza, os esquecidos.

Mas quero falar de um outro assunto polêmico e sempre evitado pela igreja: a crise espiritual vivida por Madre Teresa, que colocou em dúvida, inclusive, a sua fé em Deus. Esse lado pouco conhecido da religiosa foi revelado ao mundo através do livro “Madre Teresa, Venha, Seja Minha Luz”, de autoria do Padre Brian Kolodiejchuk, ironicamente, o postulador da sua canonização.

O livro, que foi lançado em 2007 (inclusive no Brasil), reúne uma série de cartas que Madre Teresa escreveu para vários de seus conselheiros. Nesses manuscritos ela revelou momentos de angústia e fez vários questionamentos a Deus. Em muitos momentos, em suas conversas com Deus, revelou não perceber nenhuma resposta do céu. Veja esse trecho de uma carta de 1956: "Tão profunda ânsia por Deus - e ... repulsa - vazio - sem fé - sem amor - sem fervor. Almas não atrai - O céu não significa nada - reze por mim para que eu continue sorrindo para Ele apesar de tudo."

O “Ele”, claro, é uma referência a Deus e o “apesar de tudo” reflete a inquietação da religiosa. Em outra carta ,escrita em 1959, Madre Teresa deu um claro sinal do seu agnosticismo: "Se não houver Deus - não pode haver alma - se não houver alma então, Jesus - Você também não é real."

A Igreja Católica, ao longo dos séculos, enfrentou várias crises espirituais iguais a de Madre Teresa. São João da Cruz, mestre em teologia mística, batizou esse momento de crise como “Noite Escura do Espírito (ou da alma)”. Esse momento é entendido pela Igreja como uma etapa que alguns santos percorrem até a identificação do que é realmente Deus. Muitos críticos classificam essa interpretação como uma forma que a Igreja Católica encontrou de negar a crise de fé de seus religiosos.

Sobre esse “momento de escuridão” vivido por Madre Teresa, O New York Time, em sua edição de 05 de setembro de 2007, publicou o trecho de uma das cartas escritas por ela onde, taxativa, afirmou: “se alguma vez chegarei a ser santa, seguramente o serei da escuridão”.

Todos esses momentos de angústia vividos por Madre Teresa, não mancham, de forma alguma, a magnitude de sua obra social. Pelo contrário, imagine uma pessoa que supostamente fazia o bem por ser temente a Deus, descobrimos agora que, mesmo com sua fé em crise, manteve-se firme no seu propósito de ajudar ao próximo de forma incondicional. Nada mais importa, no meu modo de ver.

Comments

16 Responses to “A NOITE ESCURA DE MADRE TERESA DE CALCUTÁ”

BRUNO disse...
1 de junho de 2009 18:52

Já ouvi muito a respeito dessa possível recaída espiritual de Madre Teresa, homens como Christopher Hitchens chegam a ser maldosos a seu respeito. Sou ateu, mas nada tenho contra ela. E, por outro lado, pessoas importantes como ela serão sempre motivos de polêmica, algumas sensacionalistas, outras não.

Abraços!

http://tempo-horario.blogspot.com/

BRUNO

Leo Pinheiro disse...
1 de junho de 2009 18:54

Como os bons espíritos disseram:

Seria fácil um perfeito fazer boas ações, mas na dúvida reside o verdadeiro mérito.

Se mesmo com tantas dificuldades alguém como ela conseguiu praticar o bem...

A dor, cansaço, desesperança não triunfará.

Tentemos trilhar o mesmo caminho... Cada um com suas dúvidas e dificuldades.

1 de junho de 2009 19:09

Não conhecia a existencia de tal livro.
Madre Teresa foi um grande SER HUMANO que sempre acreditou no mundo bem melhor.

Groo Veiga disse...
1 de junho de 2009 19:22

Na verdade, Madre Teresa revela-se humana...demasiadamente humana.

No íntimo, acho que muita gente já duvidou da existência de Deus e da auenticidade da Bíblia ( e isso é colocado à prova todos os dias). Não vejo nada demais na Madre ter essa "recaída", é absolutamente normal o ser humano crer e duvidar.

Mas o trabalho dela e sua importância são verdadeiros e ainda temos em que acreditar.

abs!

1 de junho de 2009 22:04

concerteza essa grande mulher merece nosso respeito...por tudo que fez...

Erica disse...
1 de junho de 2009 22:12

Ela é um ser humano lindo!

Inez disse...
1 de junho de 2009 22:23

Parabéns pelo post.
Madre Teresa era com certeza um espírito muito iluminado, vivia no meio da pobreza, enfrentava grandes dificuldades, então acho até compreensível ela passar por estes momentos.

Mauro disse...
2 de junho de 2009 13:40

é imensamente complicado pra mim comentar religião sem contestar as igrejas... assim, prefiro considerar o indivíduo em si, e é perfeitamente normal se sentir perdido, no vazio... não conheço bem a história dela, apenas acho que ela foi uma boa mulher no meio errado.

www.skiba.com.br

Márcio disse...
2 de junho de 2009 13:48

Para a Igreja, pincipalmente a católica, toda nossa bondade, compaixão, moral e ética vêm de Deus. É facil para as pessaos que levam uma vida normal acreditar nisso, ir a igreja, falar amém, e esquecer o resto do mundo. Madre Teresa, em suas dúvidas, mostra que essas qualidades são essencias do ser humano, não importando deus algum.

Tania Montandon disse...
3 de junho de 2009 12:34

ué, santo não significa perfeito! O q nos faz humanos são os defeitos mesmo, não as virtudes, por isso vc tem razão, ela é de fato uma das pessoas mais admiráveis por tudo q fez de bom, apesar de ter sido nada mais q um ser humano como nós.
beijos

Tania Montandon disse...
3 de junho de 2009 12:38

Um livro que conta a viografia de SLucas conta q por mais da metade da vida dele o maior inimigo era Deus q ele sempre odiou pq nao entendia como poderia existir um Deus q deixasse o mundo tão mal, entretanto suas ações eram as mas humanas e éticas possíveis, mesmo durante o tempo em q odiou Deus. Esqueci o nome do livro, sorry

Alcione Torres disse...
7 de junho de 2009 15:05

Já fazia um bom tempo que eu não vinha aqui. O template está lindo!

Inaldinho disse...
29 de junho de 2009 04:12

É um consolo para nós pobres mortais, afinal todo ser humano mortal feito de carne e osso, tem suas fraquezas. A imagem que se quer nos passar de existir pessoas perfeitas acredito é danosa. Todos que pisaram e pisarão nesse planeta possuiram e possuirão limitações.

7 de setembro de 2016 11:03

A dor da solidão que tenho vivido pode não ser dor e sim uma enorme alegria.
Obrigado por tudo Jesus.

7 de setembro de 2016 11:04

A dor da solidão que tenho vivido pode não ser dor e sim uma enorme alegria.
Obrigado por tudo Jesus.

ED CAVALCANTE disse...
7 de setembro de 2016 18:26

Ricardo, meu nobre, tudo tem um propósito e pelo seu comentário não lhe falta fé. Quando menos esperares a luz surgirá!