UM SHOW DE DESORGANIZAÇÃO

Há vinte e cinco anos eu não entrava no Teatro Boa Vista. Ontem à noite, saí de casa para ver o espetáculo “Em Briga de Marido e Mulher Ninguém Mete...A Colher”, com dois hilários comediantes: Zé Lezin e Cinderela. Comprei meu ingresso antecipadamente, mas não pude assistir a peça. Cheguei ao teatro as 19:30h, meia hora antes da hora descrita no ingresso . Para minha surpresa, o espetáculo já havia começado. Sem entender nada, corri escada acima para assistir mesmo com o bonde andando. Tive outra triste surpresa: o teatro – que tem capacidade para 800 pessoas – estava abarrotado de gente.

Dezenas de pessoas em pé nos corredores e nas laterais do palco, assistiam, PASSIVAS, ao espetáculo. Bufando, desci as escadas e fui fazer o que todas as pessoas que estavam em pé deveriam ter feito: exigi o meus direitos. Ouvi do “organizador” do evento que eu poderia esperar para assistir a outra sessão que começaria as 21:00h. Mais revoltado lembrei ao tal fulano que comprei meu ingresso antecipadamente, que o número de pessoas presentes no teatro era maior do que a capacidade da casa, que a peça começou trinta minutos antes da hora prevista e que, absurdamente, da sala de espera do teatro ouvia-se tudo que estava rolando no palco. Eu assistiria,mais tarde, a uma peça cômica cujas piadas eu já saberia o desfecho.

Outras pessoas que se sentiram lesadas, ao me verem cobrar meus direitos, ensaiaram uma revolta mas com sorriso no rosto, como se tudo aquilo fosse normal. Um rapaz que estava do meu lado argumentou que tinha vindo de Carpina (interior de Pernambuco) para ver a peça. Exigi e recebi de volta o meu dinheiro. O mais triste nessa história foi constatar a passividade das pessoas que foram desrespeitadas no teatro. Muita gente submeteu-se a humilhação de assistir ao espetáculo em pé ou em cadeiras de plástico amontoadas pelos corredores da casa. Fotografei tudo, mas não publico aqui porque não vou expor a imagem de ninguém sem autorização.

O sorridente “organizador” do espetáculo me devolveu o dinheiro e eu pude ler na testa dele: “vai embora chato, tem um monte de besta la dentro, em pé, sorrindo com a peça”.

Comments

3 Responses to “UM SHOW DE DESORGANIZAÇÃO”

Bete Meira disse...
14 de novembro de 2010 19:54

Meus cumprimentos, Ed! Se todas as pessoas, atingidas em seus direitos,agissem como você muita coisa mudaria, pra melhor, nesse país!Às vezes sou muito passiva e fico no prejuízo, mas às vezes luto pelo que acho correto. Realmente quem briga pelos seus direitos é rotulado de chato, encrenqueiro, criador de caso... A luta continua!

Inaldinho disse...
14 de novembro de 2010 20:24

Um absurdo mesmo, uma total falta de respeito com quem se dispõe a sair de casa e ir prestigiar artistas locais. Mas será que os artistas em questão não percebem isso ou fingem não perceber? No fim das contas, os prejudicados são eles mesmos, que "dão as caras" para um público decepcionado, que vai pensar duas ou mais vezes da próxima vez antes de sair de casa e ir prestigia-los, uma vez que os responsáveis diretos pela desorganização ficam mesmo atrás das cortinas.

Sidclay disse...
17 de novembro de 2010 03:13

Ed, é uma pena que isso aconteça, mas, infelizmente, não me surpreende. Venho constatando seguidamente exemplos semelhantes. Outro dia, tive problemas com uma pessoa na fila do banco simplesmente porque ele achava que tinha direito de passar na minha frente... Pra minha supresa, as pessoas da fila faziam de conta que nada acontecia, mesmo que isso as afetasse também...