À ESPERA DA TRAGÉDIA

As assustadoras imagens das catástrofes climáticas do Rio de Janeiro e de outras partes do planeta, trouxeram à tona as discussões sobre como evitar essas tragédias. Não é preciso um estudo muito aprofundado sobre o assunto para descobrir algumas pistas bem claras.

Morei em duas cidades, Olinda, década de 70, e Recife, onde resido atualmente. Em ambas, coincidentemente, vivi em bairros próximos a áreas de manguezal. Nessas localidades, sempre que era dia de maré alta, as águas dos rios fluíam pelas galerias. Ouvíamos os mais velhos dizerem: "a maré tá invadindo a rua". Na verdade, o fluir das águas era, meramente, uma comprovação do Princípio da Impenetrabilidade: "dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo".

Não entendeu? É simples, encha uma bacia com água até o limite da borda e entre nela. O volume da água deslocada para fora da bacia sera igual ao volume da parte do seu corpo imersa no recipiente. E o que as enchentes tem a ver com essas concepções científicas? Tudo! O volume de água que inunda a sua rua é exatamente igual ao volume de terra (ou lixo, ou qualquer tipo de entulho) que algum idiota jogou dentro do rio. A água tem que ir para algum lugar e procura os terrenos mais baixos.

O triste nessa história é que todos nós temos um pouco de culpa nesse desequilíbrio, mas pouquíssimos têm essa noção. Além do mais, os que reconhecem a sua participação deletéria, fazem pouco (ou quase nada) para corrigir o erro. Normalmente a razão é vencida pela emoção. A pobreza no avançado estágio da miséria produz áreas de sub-habitações que se transformam em palcos de catástrofes.

No Rio de Janeiro, devido a geografia altamente acidentada, as tragédias são “compartilhadas” por ricos e pobres. Áreas de veraneio frequentadas pela alta sociedade foram devastadas na mesma proporção das sub-habitações com características de favelas.

Muito se ouviu falar, após o desastre, de um planejamento para prevenir catástrofes. O Governo do Rio de Janeiro anunciou a instalação de 60 sirenes que soarão quando o perigo de um temporal for detectado. Algo como os avisos que ecoavam nas cidades atacadas por aviões na Segunda Guerra Mundial. Um terror sonoro que pode surtir um efeito satisfatório, mas também pode piorar a situação porque no primeiro aviso, possivelmente, o caos será instalado.

Um bom exemplo de planejamento que surtiu um efeito quase satisfatório pode ser verificado aqui no Recife que, apesar de sofrer com graves problemas de alagamentos, livrou-se das gigantescas enchentes que arrasaram a cidade nas décadas de 60 e 70 construindo barragens. A retenção do grande volume de água foi o início de uma grande ação que teve suas etapas subsequentes prejudicadas por rivalidades políticas. Recife sofre hoje com os alagamentos que já deveriam ser coisa do passado se os trabalhos iniciados com a construção das barragens tivessem seguido adiante.

Enquanto isso, aqueles que têm a infelicidade de morar em áreas de risco vivem à sombra de uma tragédia (climática) anunciada. É o fardo da miséria aliado ao descaso.

Comments

One response to “À ESPERA DA TRAGÉDIA”

Paulo Roberto disse...
21 de janeiro de 2011 09:42

Vi hoje minha rua enchendo e não pudia fazer nada...