ERA UMA VEZ EM 95


O ano de 1995 foi especialíssimo para mim: ingressei no mundo acadêmico depois de anos sem estudar e numa época em que, diziam as estatísticas, apenas um em cada dez estudantes de escolas públicas chegava à universidade, sobretudo à pública. Teve também o título do meu time do coração, o Santa Cruz. Mas nada se compara a emoção de ser pai. Exatamente às dez horas e trinta minutos do dia 22 de novembro de 1995, uma quarta feira, estava eu ansioso no apartamento do Hospital Nélson Chaves, aqui em Recife, vendo pela tevê o clip remake da canção “Free As A Bird”, dos Beatles, quando a enfermeira bateu na porta e informou: “Pai, sua filha chegou”. A partir dali, me tornei outra pessoa.

Lembro-me que minha irmã, Lene, estava do meu lado. Fiquei na janelinha de vidro olhando um enfermeiro manipulando, friamente (julgamento meu, claro), aquela linda criança de cabelos negros, minha filha Thais. Naquela mesma noite tentei confortar um pai que, entristecido, me deu os parabéns e me falou que seu bebê não nascera vivo.

Desse dia em diante me tornei mais responsável, perdi aquela inconsequência juvenil que teimava em não arrefecer apesar dos meus trinta anos. Os dias ficaram mais longos e alegres, absolutamente tudo ficou diferente. Ela era um bebê diferente, dormia ao som de Chico Science, tinha medo do carro de bombeiro, fugia por um buraco do portão (eu ficava desesperado) e me imitava quando eu estava tocando violão.

Agora ela está com 15 anos, moramos em casas diferentes, mas o sentimento é o mesmo, talvez maior. Minha filha é o meu bem mais precioso, por isso estou sempre por perto, será sempre assim. O cabelo dela agora é vermelho, está linda, anda escutando umas músicas estranhas (sei que isso passa, mas que passe logo), tem os problemas típicos da adolescência que, certamente, serão superados, e faz um velho professor, careca e tricolor muito feliz sempre que sorri e diz: “Dindo, quero falar contigo”.

Comments

2 Responses to “ERA UMA VEZ EM 95”

Anônimo disse...
2 de abril de 2011 13:53

Cara, li teu post e fiquei imaginado como será daqui a quinze, dezesseis anos. Meu filho vai fazer 1 ano no dia 18 desse mês e... Sei como você se sente. Quando ele fala Pai... É um negócio do outro mundo. Vamos ver o que aconetce, só sei que quando ele escuta Beatles acalma, por que será?
Abraço meu velho.
P.S. Vamos marcar pra botar o papo em dia. Liga pra mim, perdi teu telefone.

Edgar José

ED CAVALCANTE disse...
3 de abril de 2011 20:56

Beatles tá no sangue! Vamos marcar! Te ligo!