NOSSA TRADIÇÃO NORDESTINA E OS NOVOS RUMOS AMBIENTAIS

Por: Gustavo Soares - No último dia 24 de junho (2011), dia de São João, mais uma vez lembrei-me do meu pai, Sr. João Vandeval de Araújo, falecido há 17 anos. Homem fiel as tradições e que reforçada pelo fato de ter nascido no dia de São João, fiel também as tradições juninas. Todos os anos era ele quem acordava primeiro no dia 23 de junho, tomava seu café e já ia para rua, em frente a nossa casa, elaborar sua majestosa fogueira de São João, era sempre a maior da rua e eu, criança na época, olhava aquilo e já prometia a mim mesmo que quando Papai do Céu o levasse, eu, que também tenho João no nome, iria continuar com aquela tradição. E assim foi durante alguns anos após sua partida em 1992.

Hoje, me conscientizei e percebi que o mundo pede socorro, pedi desculpas a meu pai e deixei a tradição da fogueira de lado. Todavia, como diz o velho ditado popular: “Uma andorinha só não faz verão” As vésperas do dia do santo, assustei-me mais uma vez quando, saindo da cidade de Ipojuca, Região Metropolitana Sul do Recife, seguindo de carro até a Zona Oeste do Recife, pude observar uma situação vivida apenas pelas pessoas que moram nas regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil, quando o tempo seco e as queimadas mais intensas na floresta amazônica fazem com que cidades inteiras fiquem cobertas de fumaça, situação essa muito comentada e criticada pela mídia. Mas, esse é um problema crônico!! E quanto à queima de madeira promovida por uma tradição secular? Isso é crônico também? É prejudicial ao meio ambiente? Não estaria na hora de abandonar essa tradição tão fora de moda e começar a se preocupar com as emissões de dióxido de carbono na atmosfera? Afinal, essa é a principal causa do tão comentado AQUECIMENTO GLOBAL.

A fogueira de São João é bela, tem seu apelo religioso para muitos, é tradicional, enfim.. Porém não devemos tolerar mais tantas agressões a nossa mãe Terra, aquela que nos conduz, que nos dá condições de vida. A queima de matéria orgânica (madeira, por exemplo) e a queima de combustíveis fósseis (gasolina e diesel, por exemplo) promovem a liberação de dióxido de carbono, e este é o principal responsável pelo EFEITO ESTUFA principal causa do AQUECIMENTO GLOBAL.

Teremos o próximo São João para rever nossos conceitos, nossos princípios e nossas tradições e dentre elas a queima da fogueira.
Gustavo Soares é Geógrafo, professor de Geografia da Rede Pública Estadual de Pernambuco, comerciante e DJ.

Comments

2 Responses to “NOSSA TRADIÇÃO NORDESTINA E OS NOVOS RUMOS AMBIENTAIS”

ED CAVALCANTE disse...
12 de junho de 2012 20:50

Quando eu era criança adorava as fogueiras, depois tomei abuso. Insuportável a fumaça e os problemas ambientais agregados a essa prática. Algum dia perceberão o dano que essa prática provoca!

13 de junho de 2012 00:12

É, concordo. Não aprecio as fogueiras pois além do impacto ambiental, são perigosas.