O tendencioso algoritmo do Google

O que é um algoritmo?

Por definição, um algoritmo é uma sequência finita de instruções bem definidas e não ambíguas, cada uma das quais devendo ser executadas mecânica ou eletronicamente em um intervalo de tempo finito e com uma quantidade de esforço finita. Por exemplo: você está assistindo a uma série na Netflix e por um motivo qualquer para na metade. Quando você acessa o site novamente e clica na série que estava assistindo, ela continua exatamente de onde você parou. Esse mecanismo inteligente é definido por um algoritmo. Os sites de busca utilizam esses mecanismos para ordenar links e padrões de informação.

Certa vez recebi pelo zap um print mostrando que, ao digitarmos no Google a pesquisa “Maior ladrão do mundo?”, o resultado era uma enxurrada de fotos e memes do ex-presidente Lula. A pessoa que me enviou – e tantas outras que compartilharam – reverberaram essa informação como sendo verdadeira e incontestável. Testei a informação e confirmei – veja no print abaixo – que o algoritmo do Google realmente produzia essa sequência de imagens.
Pois bem, resolvi fazer outra pesquisa, coloquei na janela de busca do Google: “Pessoas bonitas”. O resultado foi esse do print abaixo, uma enxurrada de pessoas brancas, de cabelos lisos e na grande maioria loiros. A inferência lógica é que o site de busca, do mesmo jeito que afirma que Lula é o maior ladrão do mundo, está afirmando que pessoas bonitas são pessoas brancas, de cabelos lisos e claros. Quem aceita e propaga uma dessas “verdades”, obrigatoriamente, tem que aceitar a outra.
Tire suas conclusões!




Comments

No responses to “O tendencioso algoritmo do Google”