O BAIRRO DE AFOGADOS JÁ TEVE UM FORTE HOLANDÊS

Gravura do Forte Príncipe Guilherme

Nas inúmeras vezes em que pesquisei sobre as origens dos bairros do Recife, em diversas fontes, o bairro de Afogados figurava, até meados do século XIX, como “o fim do Recife”, uma referência clara a área urbana que se estendia do centro da cidade para o interior. O bairro dos Afogados – é desse jeito que os textos antigos se referem ao local – sempre teve importância por ser uma encruzilhada, passagem obrigatória para quem se deslocava para o interior ou para quem vinha da zona norte para o litoral. Ali se constituiu uma área de comércio intenso que atendia aos viajantes. Mas o propósito desse breve post é outro. Nos relatos de José Luiz Mota Menezes na obra “Ruas Sobre As Águas” (CEPE-2015) ele faz referência ao “Forte do Príncipe Guilherme” um ponto de resistência militar cuja construção é atribuída a Maurício de Nassau.  O dito forte era também conhecido por “Torre dos Afogados”, "Forte de Willem" e “Forte de Piranga”. Nassau, em um documento datado de 14 de janeiro de 1638, intitulado “Fortificações”, descreveu assim o equipamento militar:

É um forte de quatro pontas com quatro baluartes, e está muito bem colocado, porque nos assegura o caminho da Várzea [do rio Capibaribe] e de toda a terra, e defende a passagem da ilha de Antônio Vaz para os Afogados. Está situado em uma planície na sua parte mais elevada, dominando assim o campo até onde o canhão pode alcançar. Para o lado do noroeste tem fossos fundos; ao sudeste porém, os fossos não são fundos, e o solo é mais alto, pelo que o inimigo pode aproximar-se por meio de aproches. É necessário que este forte seja cercado de uma contra-escarpa, pois não sendo assim, faltar-lhe-á fortaleza. É construído de uma terra singular, que, de verão, quando seca, é tão dura como pedra, e de inverno, quando chove, é mole como argamassa, sulcando-a as águas de modo que é necessário grande dispêndio para repará-lo e conservá-lo."

Estima-se que o Forte do Príncipe Guilherme tenha abrigado um efetivo militar de mais de duzentos homens. Durante um considerável período várias ações militares partiram dessa fortificação: o ataque ao Engenho de Pedro da Cunha, na Várzea, e ao Forte Real do Bom Jesus. Outro aspecto importante a se destacar na história desse equipamento militar é o fato dele ter propiciado a construção de uma importante via de acesso entre o centro da cidade e o interior, a Rua Imperial, que nasceu do dique construído pelos holandeses ligando o forte das Cinco Pontas ao Forte do Príncipe Guilherme.

 Entre 1648 e 1654, ocorreram intensas batalhas entre a resistência portuguesa e os holandeses até que no dia 17 de janeiro de 1654 os portugueses tombaram as torres do local e dominaram os batavos. O Forte do Príncipe Guilherme ficou abandonado durante vários anos, foi reconstruído no final do século XVII mas com o crescimento da cidade e a expulsão dos holandeses ele perdeu sua importância militar. Acabou sendo demolido em 1813 e transformado em um grande aterro. Atualmente, no local do antigo forte, funciona a Asa Indústria Comércio LTDA, como mostra o print abaixo:


Comments

No responses to “O BAIRRO DE AFOGADOS JÁ TEVE UM FORTE HOLANDÊS”