UNIVERSO CULT

Escrevi no post anterior sobre guetos (que o amigo Grijó do ótimo Ipsis Litteris chama de 'focos de resistência'). Que não fique a impressão de que sou um chato que despreza a cultura pop e vive descendo a lenha. Não, não sou assim, veja o banner no alto dessa página. João Cabral de Melo Neto, Manuel Bandeira, Josué de Castro dividindo espaço com Speed Racer, Garibaldo, Ave Sangria e Pink Floyd. Eclético, isso é o que eu sou. Por ser assim eu detesto quando vejo intelectuais metendo o pau na cultura pop. Outro dia li numa entrevista de um escritor gaúcho famoso: “quando eu era mais jovem gostava muito do Grease, depois percebi que o filme não era nada”. Eu vi (e vivi) o Grease quando era garoto. Devo muito a esse filme. Não me divirto tanto agora revendo, mas isso não tira o brilho nem a função do filme: divertir. O mesmo ocorre com as séries de tv que eu via quando garoto, com roteiros e efeitos toscos, mas que me fizeram viajar na imaginação e me ajudaram a viver. Esse é o universo Cult. É quando você não julga com critérios da atualidade obras e acontecimentos do passado. É quando você percebe a importância da obra num determinado contexto. Por isso respeito muito o Guy William (Perdidos No Espaço), a Barbara Eden (Jeannie é Um Gênio), o John Travolta, o Renato Aragão. Assim como minha filha irá respeitar o Chaves, o Bem 10 e etc. Quem entende isso não fica velho.

Comments

7 Responses to “UNIVERSO CULT”

Unknown disse...
20 de novembro de 2008 13:04

nossos herois sao bem mais autenticos que os herois de hoje. O chaves vem a duas geraçoes desfazendo a cabeça dos espectadores do SS.

Unknown disse...
20 de novembro de 2008 13:05

PS: nos tempos da brilhantina ou perdidos no espaço eram uma merda.

Unknown disse...
20 de novembro de 2008 14:12

Independentemente do tema, o homem que não teve passado,não vive o presente, e não tera o que contar no futuro. Valeu pelo post muito bem sacado.Vivemos hoje o resultado do nosso passado.

Bete Meira disse...
23 de novembro de 2008 15:58

Não entendi o primeiro comentário desse post.Falta acentuação,troca "há" do verbo haver pela preposição "a",é confuso... Quem são os heróis a que se refere? Tb vi Grease mto nova,não sei se teria o mesmo impacto hoje,preciso fazer o teste. Mas Perdidos no espaço,nunca esqueci!Passei a infância vendo e gostando muito. Podemos gostar, ou não, de qualquer coisa,mas devemos respeitar o gosto dos outros e evitar palavras desagradáveis. Você é a Democracia em pessoa,eu rejeitaria o segundo comentário. Bjin,caro Ed

Anônimo disse...
3 de dezembro de 2008 22:45

Vou entrar neste mérito

Anônimo disse...
3 de dezembro de 2008 22:49

Meu caro Ed:

Não ao patrulhamento ideológico, mas afirmar que em um inocente "Chaves" ou mesmo um "Perdidos no Espaço", não esconde atitudes preconceituosas é querer ver apenas a sombra. O pobre do Chaves não tem onde morar e ninguém da Vila tem nada com isso, enquanto que o Dr Smith é estewriotipado como um homossexual covarde e traidor. Claro que minha filha Mariana, com 7 anos não vai entender estas situações, mas fica claro que o objetivo é a perpetuação desse modelo de sociedade
Bento Bezerra

ED CAVALCANTE disse...
4 de dezembro de 2008 11:17

Amigo Bento, os dois estereótipos que você destaca nessas duas séries de sucesso, são pertinentes. Entretanto, note que o Chaves, mesmo sendo o rejeitado da vila, é o herói para as crianças. Os que o maltratam, são os vilões. Se o criador do Chaves foi "politicamente incorreto", o tiro saiu pela culatra. As crianças (que enxergam bem mais do que imagina a nossa vã filosofia)adoram ele. Quanto ao Dr. Smith, se você assistiu a série deve lembrar que ele traía, fazia coisas erradas, mas no final sempre se arrependia e acabava dando um jeito de desfazer o seu erro. Na verdade ele era um adorável vilão!

Obrigado pela visita!

Obs: quando você comenta no blog, o seu texto só aparece depois que eu publico. Esse blog é moderado!

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');