ELIS DEVERIA TER SIDO MINHA FILHA


No exato momento em que escrevo esse post, estou contemplando Elis no “Arquivo N” da Globo News. Uma série de vídeos e depoimentos da grande estrela da emepebê. Conheci – musicalmente falando, claro – Elis na adolescência. No final da década 70, na rua em que eu morava, tinha um grupo de jovens (um pouco mais velhos que eu) que curtia o que eles chamavam na época de “música altamente” ou “música cabeça”. Elis Regina era figura carimbada. Aquelas imagens em preto e branco dela cantando "Ponteio", ou a lendária interpretação de “Águas de Março” junto com Tom, os dois brincando com um standard da emepebê. Inesquecível!

E o que ela tinha de diferente? Depois de sua morte, em 19 de janeiro de 1982, o mito cresceu bastante, é certo. Entretanto, no auge da sua carreira, muitos já apontavam Elis como a grande interprete de todos os tempos da emepebê. Ela era teatral, não era só uma interpretação vocal. Somatizava as histórias cantadas alterando, num mesmo espetáculo, felicidade e tristeza num estalar de dedos. Eu gostava tanto dela que sonhava em ser pai de uma menina que se chamaria “Elis”. Quando minha primeira filha nasceu, acabei não realizando esse sonho porque minha ex-esposa não gostava do nome. Resolvi a questão batizando minha filha com o nome de Thais, que rima com Elis.

Hoje, exatamente, está fazendo trinta anos que ela se foi. Para relembrá-la -  e ao mesmo tempo exorcizar esse momento atual da “música” brasileira -  escolhi uma canção bastante significativa da carreira dela: “Para Lennon e McCartney”, de Milton Nascimento. Essa canção é meio que um hino da minha adolescência. Regozijem-se:

Comments

One response to “ELIS DEVERIA TER SIDO MINHA FILHA”

Sidclay disse...
29 de janeiro de 2012 22:18

Eu demorei até começar a ouvir Elis, eu a "conheci" quando começava a ouvir Chico Buarque, lá pelos 20 anos... E "Atrás da porta" desde então me emociona em sua voz...