152 ANOS DA DESCOBERTA DO COMETA DE OLINDA


Frequento o Alto da Sé, em Olinda, desde criança. Morei na cidade quando era adolescente, visitar a Sé era uma festa. O interessante é que só depois de adulto é que descobri que aquela pequena construção em formato cilíndrico era o antigo Observatório de Olinda. O prédio histórico foi construído por ordem de Duarte Coelho e funcionou até o início da década de 70 (século XX) quando o “senhor descaso” deixou que suas atividades fossem encerradas.

O pequeno observatório tem seu nome gravado na história da astronomia mundial. Num dia 26 de fevereiro, como hoje, em 1860, o astrônomo francês Emannuel Liais, estando a serviço do Observatório Imperial de Paris, descobriu um cometa que foi batizado de “Cometa de Olinda”, até hoje, o único descoberto em solo brasileiro e o primeiro descoberto na América do Sul. Por ser um cometa de órbita parabólica, a observação no mesmo local é impossível. Isso torna o feito de Liais mais espetacular ainda. Ele estava no local certo na hora certa. A descoberta do astrônomo francês está publicada Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, vol. 20, página 336.

Depois de anos fechado, o Observatório de Olinda foi reaberto. Uma parceria entre o Espaço Ciências, a Prefeitura de Olinda e a Sociedade de Astronomia de Olinda, fez ressurgir o lendário espaço. Sobre a minha ignorância, na infância, a respeito da história do local, vale ressaltar que esse monumento, como tantos outros em Olinda, não era devidamente identificado. Até hoje muitos ignoram que ali funciona um observatório. Sobre o grande feito de Emannuel Liais, nem se fala, é uma parte da história da cidade completamente desconhecida por quem frequenta o local. Uma pena!


Comments

One response to “152 ANOS DA DESCOBERTA DO COMETA DE OLINDA”

26 de fevereiro de 2012 20:52

A pura verdade. Olinda, Recife e Jaboatão são extremamente mal sinalizadas e tem pouquíssimas referências históricas.
Abraço, Edgar José

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');