AINDA SOMOS HUMANOS


Quando se é jovem e inexperiente, um dos fardos mais pesados na vida é o medo de enfrentar o mundo real. A pouca experiência, via de regra, induz a caminhos ilusórios para fugir da dura realidade do cotidiano. Sonhar que os pais vão morrer bem velhinhos e dormindo, imaginar que num belo dia todos os sonhos se realizarão como num passe de mágica e por aí vai. O tempo passa e a experiência nos mostra que o mundo, de vez em quando, vira de cabeça para baixo e temos que ter força para encará-lo.

As aterrorizantes noticias que chegaram da cidade de Santa Maria no final de semana passado é um desses momentos. Você fica remoendo, remoendo e não consegue digerir. Não dá nem pra fugir da tristeza. Na era da interatividade total, as notícias chegam de tudo quanto é lado. Você lê a história do jovem que salvou a esposa e voltou para ajudar os outros e morreu. Muitos trocaram a sorte de terem se safado pelo risco de ajudar outras pessoas e acabaram morrendo também.  Seres humanos, afinal, eles existem, é por isso que o mundo ainda se mantém com uma certa ordem. Somos infinitamente mais humanos do que imaginamos.

Tenho que repetir o que escrevi acima agora com um grifo: vários jovens que tiveram a sorte de escapar da morte, voltaram para ajudar os amigos e acabaram morrendo também. Não eram bombeiros treinados, eram pessoas normais que se, eu ou você, tivéssemos a incumbência de descrevê-los, logicamente, não imaginaríamos que eles, frequentadores de baladas noturnas, namoradores, jamais dariam a vida por outros, mas deram.

Esse não é um texto escrito para lamentar a tragédia ou descrever o horror do acontecido. Como destaquei acima, estamos na era da interatividade e um turbilhão de notícias chega a toda hora. Escrevo pra celebrar a prova inconteste de que ainda somos humanos. Aos que pereceram, que encontrem a luz.

Comments

2 Responses to “AINDA SOMOS HUMANOS”

29 de janeiro de 2013 13:34

Em muitos existe a grandeza de ser humano.
Ótimo texto Ed.

Anônimo disse...
30 de janeiro de 2013 15:06

Ressaltastes o lado bonito em uma estória tão triste: A solidariedade humana.

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');