EU, PSICÓLOGO


Resolvi falar dos chatos nesse primeiro post do ano. É que ando observando e me divertindo muito com as neuras desse seleto grupo. Todo mundo tem um conhecido chato.  Você está num grupo de amigos, no trabalho ou num barzinho, aí faz um comentário sobre algo que viu na tevê. O chato se manifesta: “Eu não tenho tempo para ver tevê”. Normalmente quem ostenta esse discurso pré-fabricado faz apenas figuração. Assiste tevê mas adora tirar onda dizendo o contrário. Mais: diz que não gosta da telinha mas, contraditoriamente, tem assinatura de tevê paga.

Outra característica dos chatos atuais é se pronunciar contra a internet. “Não tenho tempo para essas besteiras”. Inexplicavelmente, todos eles têm perfis nas redes sociais, mas sempre falam que não sabem mexer, que nunca acessam. Se nunca acessa, por que diabos criou o perfil, ora?  É mais ou menos o mesmo discurso dos famosos: “Não tenho tempo pra namorar, trabalho muito” Até que um paparazzo qualquer, num clique, desmonta esse discurso fake.

Conviver com os chatos requer jogo de cintura, mas, mesmo para os pouco treinados, um alento: Cientistas da Universidade de Glasgow, no Reino Unido, comprovaram, com uma pesquisa pra lá de interessante, que o córtex auditivo ignora o que acha chato (li a matéria aqui). Ou seja, nascemos com um antispam natural que filtra parte das chatices do cotidiano. Mesmo assim, é sabido, tem hora que o saco enche.
Para esse post não ficar chato, paro de escrever e reproduzo, abaixo, algumas frases sobre chatos, colhidas na rede:

"O maior chato é o chato perguntativo. Prefiro o chato discursivo ou narrativo, que se pode ouvir pensando noutra coisa” (Mário Quintana).

“Por necessidade de recolhimento livrei-me de Deus, desembaracei-me do último chato”. (Emil Cioran).

“Chato é aquele cara que você fala: “Aparece lá em casa de vez em quando” e ele aparece”. (Millôr Fernandes).

Comments

No responses to “EU, PSICÓLOGO”