ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NATAL


O final do ano chegou e as luzes do Natal enfeitam a cidade. A força do capitalismo transformou a celebração religiosa numa celebração comercial. Basta lembrar que nas grandes cidades pelo mundo afora, sobretudo para os mais jovens, a grande celebração do Natal acontece nos shoppings. Na sua essência mais pura, o Natal é mesmo uma celebração religiosa que muda de acordo com o credo professado. 
Nos países muçulmanos a celebração correspondente ao Natal cristão é o “Mawlid”, a comemoração do nascimento de “Muhammad “ (Maomé). Não existe um consenso em torno da data e da própria comemoração. Muitos muçulmanos são contrários à festa por entenderem a celebração como uma inovação religiosa, algo que fere o Alcorão (Livro sagrado dos muçulmanos). Até mesmo entre os que celebram existe divergência. Muitos comemoram em 12 de Rabi al-Awwal (terceiro mês do calendário árabe). Já os xiitas comemoram o nascimento de Muhammad em 17 de Rabi al-Awwal (oitavo mês do calendário árabe).
Nas comunidades judaicas o nascimento de Jesus não tem o mesmo significado dos países cristãos. Os judeus reconhecem Jesus como um grande profeta, não como o filho de Deus. A celebração judaica mais próxima do Natal cristão é o Yom Kipur, a comemoração do ano novo, que acontece entre os meses de Setembro e Outubro. Segundo o professor Leon Szkalarowsky , Jesus, que era judeu, também comemorava o ano novo nessa data. Após a Cisão, os cristãos passaram a comemorar o ano novo a partir do nascimento de Jesus. Cabe lembrar que a data em que os cristãos comemoram o Natal, 25 de dezembro, não é exatamente a data do nascimento de Jesus, algo impossível de se precisar. Esse marco cronológico foi estabelecido na cidade de “Antióquia”, Ásia Menor, provavelmente por volta do século IV, como uma adaptação de uma festa pagã, o “Sol Invicto”. 
Independentemente do credo (ou da falta dele), o que se verifica no período natalino é uma aura de felicidade. Até mesmo nas sociedades em que o aspecto comercial se sobrepõe ao religioso, há de se convir que as pessoas se comportam de forma diferente. A roupa nova, a árvore de Natal, o presépio, o nascimento de Jesus, as luzes dos shoppings, o sorriso das crianças, o aumento da caridade, o sentimento de amor, o respeito entre as pessoas na virada do ano, tudo isso há de se perpetuar algum dia. Temos que acreditar que haverá um tempo em que as pessoas se comportarão o ano inteiro como se estivessem no Natal. Àqueles que perderam a esperança de que isso venha a acontecer algum dia, recomendo que desistam de viver. Feliz Natal!

Comments

2 Responses to “ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NATAL”

Grijó disse...
22 de dezembro de 2009 11:51

Ed, caríssimo, que 2010 seja melhor ainda para nossos blogues e, naturalconseqüência, para nós também.
Admiro seus textos, embora nem sempre concorde com eles. Um forte abraço.

Paz.

FG

Paulo Roberto disse...
17 de dezembro de 2014 09:11

Feliz vida!
Um Texto super atual, ainda de 2009!