AOS QUE NÃO GOSTAM DE MATEMÁTICA

Virou retórica! Basta alguém dizer que não gosta de Matemática que a resposta pronta aparece: “é porque você não teve bons professores na infância”. Existem os que não gostam de História, de Geografia, de Português, de camarão, de chocolate, de sopa, de argentino, etc, etc. Você só não pode “não gostar de Matemática”. Para esse "grave" defeito, tem que haver uma explicação lógica (com o perdão do trocadilho).

Acredito que os maus professores (assim como os bons) deixam marcas profundas, isso é inegável. Mas essa explicação simplista serviu para enfiar (de forma cruel) na cabeça de muitas pessoas a falsa ideia de que o que é importante para mim, na mesma medida, tem que ser para você. O gostar é uma apreciação subjetiva, independe da importância do objeto de adoração. A interdisciplinaridade, tão badalada nos dias de hoje, é uma tentativa (muitas vezes inglória) de desmontar a hierarquização das disciplinas que jogou no limbo, por exemplo, matérias importantes como a Filosofia, a Sociologia e o ensino de Artes.

Tive ótimos professores de Matemática. Lembro-me de um , em particular: Professor Lidelmo (já falecido). Ao resolver uma equação, entusiasmado, ele perguntava: “isso não é lindo ?” Eu sempre discordava porque, entre as palavras e os números, sempre preferi a primeira opção. Termino esse breve post com uma frase do Caetano Veloso que confere aos frios números o status de palavra. Para transmitir a ideia de erro, disse ele: Tudo certo como dois e dois são cinco”.

Comments

3 Responses to “AOS QUE NÃO GOSTAM DE MATEMÁTICA”

Bete Meira disse...
3 de dezembro de 2009 19:54

Gostar não tem explicação.Dizem que não gosto de matemática porque nunca consegui aprender.Ou será que não consegui aprender por não gostar?Também tive bons professores de matemática,mas meus neurônios se recusavam a entender a bendita,kkkkkkkk.Fujo dela até hoje e infelizmente parece que o 'gene defeituoso' passou pra meus filhos.Pensando em que carreira seguir,que curso universitário escolher,logo perguntam: "tem matemática?". kkkkkkkk.Não é a toa que cursei Letras,sou professora de português,apaixonada desde a tenra infância pelo universo das palavras.Cada um goste do que quiser,ora bolas!Vamos respeitar o sagrado direito de escolha!Né lindo???

mulherices disse...
5 de dezembro de 2009 14:00

"Tudo em volta está deserto, tudo certo / Tudo certo como dois e dois são cinco."

Estamos numa época dominada por técnicos, por estatísticas, por números frios, por burocratas de jaleco ... Falar em "filosofia" hoje em dia? Tsc, tsc ...

Sei que não era exatamente esse o tema de seu texto, mas me fez divagar nessa direção... :)


Visite-nos também. :)

seuvicio disse...
5 de dezembro de 2009 14:23

Tudo é gostável, senão não teria tanta gente gostando de tanta coisa. Meu problema com certas operações matemáticas é que é necessário prática constante, e eu não sou exatamente um praticão incansável. faço, aprendo, esqueço, desaprendo...

Talvez haja algum componente genético ou coisa que o valha aí, já que não esqueço de como escrever mesmo certos termos considerados difíceis.

Pensando bem, talvez seja só a prática mesmo, já que aquela parte da gramática q trata de regrinhas lógicas, eu nunca aprendi direito, e com o novo acordo ortográfico vou ter q fazer um curso e coisa e tal, ou me conformar em ser meio manco linguisticamente...