"CRIANÇA É PRA BRILHAR"

Outro dia assistindo a um episódio da sexta temporada de Supernatural me deparei com um questionamento proposto pelo roteirista: ceifar vidas é um duro oficio até mesmo para a morte. Explico: Dean, um dos personagens principais do seriado, recebeu da Morte a seguinte incumbência:”Serás um ceifador por um dia, adianto que, antes que o dia termine, desistirás dessa missão”. Ele aceitou o desafio e foi à luta. Acompanhado de uma belíssima ajudante ele deparou-se com uma cena de assalto em que o bandido perderia a vida. Com um leve toque no corpo do rapaz, Dean ceifou-lhe a vida. Fácil e prazeroso, pensou inicialmente. A segunda morte, porém, baratinou a cabeça do rapaz. Tratava-se de uma criança com câncer, uma linda menina de 13 anos, que teria sua breve existência encerrada.

Dean não cumpriu sua missão, não teve coragem de levar à morte a criança e desencadeou uma série de acontecimentos ligados a essa sua recusa. Até mesmo na ficção, pensar em crianças morrendo, pareceu-lhe inaceitável. Foi exatamente assim que me senti quando vi as imagens do massacre de Realengo. Criança morrendo é inaceitável, criança morrendo daquela forma é algo inimaginável na vida real. Investigar os motivos dessa barbárie, do alto da minha leiguice, parece irrelevante. Como prever a insanidade ou um acesso repentino de fúria?

Dizem que cada sociedade tem suas neuras. Pela segunda vez no Brasil, um ceifador maluco com discurso póstumo misturando religião e psicose, promoveu uma chacina e nos aproximou da tenebrosa prática tão comum nos Estados Unidos. Já tem gente alertando que se levantarem o número de mortes ocorridas dentro de escolas pelo Brasil afora, um genocídio virá à tona. Seja como for, saber de crianças morrendo me provoca uma tristeza profunda.

Comments

No responses to “"CRIANÇA É PRA BRILHAR"”