OS BRINQUEDOS QUE EU NÃO TIVE



Quando eu era garoto, lá pela adolescência, um dos meus maiores sonhos era ter um Forte Apache. Hoje em dia, obviamente, o “politicamente correto” aniquilou quase todos os brinquedos que colocam os índios como vilões e os brancos como mocinhos. Nos anos setenta era diferente, ninguém ligava, todo garoto queria ter o danado do “Forte Apache”, supra-sumo do imperialismo ianque. Não realizei esse sonho, birncava com miniaturas de índios e cowboys que minha mãe comprava no Mercado de São José.


Outro ícone dos brinquedos setentistas que eu sonhei e não consegui foi o truculento “Falcon”. Por ser um personagem militar lançado em 1977, durante a ditadura brasileira, a Estrela, fábrica de brinquedos que criou e distribuiu o boneco, sofreu duras críticas por fazer apologia ao militarismo. Lógico que a garotada não tava nem aí, todos queriam ter um exemplar do boneco que tinha cabelo e barba de verdade. O Falcon fez tanto sucesso que a Estrela lançou mais duas versões do brinquedo: ambas com uma tonalidade de pele mais morena e um deles sem a famosa barba. Em 1982, o herói barbudo saiu de linha e virou peça de colecionador.

Na linha eletrônicos, o brinquedo que eu mais detestei não ter tido foi o clássico “Genius”. Um simples sequenciador de luzes coloridas e som que virou febre na década de oitenta. A brincadeira consistia em repetir com toques a sequencia de sons e cores produzidas, aleatoriamente, pelo brinquedo com cara de disco voador. O sucesso foi tanto que a ideia virou um conceito repetido por vários games e brinquedos produzidos a partir de então. Ainda em catálogo, o brinquedo foi rebatizado de “Genius Simon”. Ainda terei um!


É muito triste, sem que muitos terão pena de mim, mas eu não tive um Caloi. Todo mundo teve, menos eu. Cansei de deixar aqueles bilhetinhos infames espalhados pela casa, “Não esqueça a minha Caloi”, mas sempre esqueciam. Ao menos, na época, os órfãos dessa bicicleta (sim, bicicleta, a Caloi não era uma 'bike') tinham as “garagens de locação”. Eu torrava minha mesada semanal alugando bicicletas, era muito divertido. Minha primeira e única bicicleta (que não era Caloi) ganhei num sorteio quando era funcionário de uma multinacional lá pelos meus vinte e cinco anos de idade.


Para finalizar esse meu leque de frustrações de infância, dois dos maiores clássicos dos brinquedos de todos s tempos: “O “Autorama” e “Ferrorama”. O primeiro foi inventado em 1912 mas só chegou ao Brasil em 1963. Desde então povoa o imaginário de quase todos os garotos. Se os garotos gostam de brincar com carrinhos, imagine com carrinhos de corrida numa pista particular? Um sonho! E o Ferrorama, quem nunca sonhou em ter um? O brinquedo reinou no Brasil na década de oitenta mas acabou saindo de linha na década seguinte.


Os apaixonados pelo brinquedo, desde que a Estrela encerrou sua produção, criaram campanhas, comunidades que pediam a volta do Ferrorama. Houve um grupo de aficionados que criou um desafiou: Provar sua fé pelo Ferrorama fazendo o Caminho de Santiago. Um site foi criado para divulgar a saga dos loucos apaixonados pelo trenzinho. Em 2010, enfim, a Estrela anunciou a volta do brinquedo. Todos comemoraram e aguardaram, ansiosos, o relançamento. A frustração foi total. A estrela importou um trem fabricado na China e nominou de “Novo Ferrorama”. Diferentemente da versão original, bem acabada, com riqueza de detalhes, o brinquedo atual mais parece uma peça descartavel.

Essas frustrações de infância, aparentemente, não deixaram sequelas, a tristeza ficou para trás e não passa de lembranças... buááááááááááááááááááááááááááááááááá!

Comments

7 Responses to “OS BRINQUEDOS QUE EU NÃO TIVE”

Sidclay disse...
7 de abril de 2011 12:39

O Autorama e o Ferrorama!!!!

Como eu queria ter esses brinquedos...

Anônimo disse...
8 de abril de 2011 16:24

Forte Apache, eu tive um.
O Autorama que eu tive foi um XP 100, eles iam até o XP 500 ou 800, não lembro. O meu só ficava andando em círculos e tinha uma chave que fazia o trenzinho dar ré, além de ter um vagão com carvão e outro de carga.
Estamos ficando velhos.
Edgar José.

Anônimo disse...
8 de abril de 2011 21:24

Cara eu era doido por um autorama e uma caloi, até carta para um papai noel famoso da tupi, eu cheguei a enviar na época, mas não deu, só deu para ter uma bola "dente de leite" oficial da estrela, lembra?

Ricardo

ED CAVALCANTE disse...
8 de abril de 2011 21:25
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...
8 de abril de 2011 21:26

Oi amigo, tenho um genius.
Guardo até hoje.Foi o primeiro presente que meu marido me deu quando começamos a namorar, e eu acabara de fazer 16 anos.
Faz uma data, bons tempos...
Abraço.
Rosana

3 de maio de 2011 00:03

Ferrorama foi um dos meus favoritos, claro que também não tive, mas minha paixão por trens continuou e hoje sou ferromodelista, com miniaturas praticamente idênticas ao tamanho original, ah e quem tem um ferrorama guardado a sete chaves é o nosso amigo Carlos "Anormal" Dornelas, ele que se cuide, eu tô de olho...

ED CAVALCANTE disse...
3 de maio de 2011 09:23

Rapaz, meu sonho era ter um Forte Apache, quanto ao Ferrorama do Carlos, por quanto será que ele vende? kkkkkkk