RENATO ROCHA, O “INAJUDÁVEL”

Desde que vi a tristíssima reportagem retratando a derrocada de Renato Rocha, ex-baixista da Legião Urbana, que há cinco anos mora numa calçada, que me pergunto como uma tragédia dessas pode acontecer com uma pessoa pública, amada por muitos, com família -visivelmente em condições da ajudar – e amigos de profissão? Vi uns comentários na net tratando o assunto com algo normal. Eu devo ser, então, de outro mundo, não entendo e não aceito uma coisa dessas como normal.

Outra questão: achei as explicações dos ex-companheiros da Legião muito burocráticas e cheias de reticências, entrelinhas. Dado, sisudo e chato como sempre, parecia um lorde falando de um plebeu que no passado foi seu amigo. Bonfá fez uns comentários no twitter também cheios de reticências. Sim, estou julgando, não é do meu feitio, mas estou julgando esses caras, tenho esse direito, sou fã da Legião. É uma das bandas mais importantes da minha vida, devo muito a eles – mais ao Renato, é certo – e escuto até hoje.

Ver o Negrete nessa situação foi de cortar o coração. Foi como se visse um amigo próximo sucumbindo. Também vi o Felipe Seabra (Plebe Rude) falando sobre o assunto, o discurso foi o mesmo dos ex-integrantes da Legião: Renato Rocha é “inajudável”. Se eu morasse no Rio de Janeiro teria ido até aquela calçada verificar esse julgamento definitivo, aparentemente imutável. Mas estou longe, muito longe, posso apenas me indignar e escrever esse breve post que poucos lerão. Não me calo mesmo assim. Sorte ao Renato e se ele for mesmo “inajudável” como dizem seus burocráticos “amigos”, espero que mude, ainda há tempo.

O que há de errado comigo
Não consigo encontrar abrigo
Meu país é campo inimigo
E você finge que vê, mas não vê”
(A Fonte – Dado, Bonfá e Renato)


Comments

One response to “RENATO ROCHA, O “INAJUDÁVEL””

28 de março de 2012 17:06

É muito triste, e não é uma situação isolada... (lá vem as reticências!) Deve ser a pior das sensações se perceber sem um lugar para ficar. Lamentável. Abraço, Ed!

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');