A INQUISIÇÃO PARTICULAR DE COTTON MATHER

Muito já se falou a respeito das atrocidades cometidas, “em nome de Deus”, pela Igreja Católica durante a Idade Média. O assunto é clássico e sempre gera muita polêmica. Entretanto, alguns eventos que copiaram o modelo de perseguição e tortura praticado pelos inquisidores católicos são vistos de forma distorcida ou atenuados com a eufêmica classificação de “manifestação folclórica”.

Um desses episódios foi protagonizado por Cotton Mather, no século XVII, na colônia inglesa da Nova Inglaterra, hoje, Estados Unidos. Mather nasceu numa família puritana e teve rígida educação. Filho do influente Reverendo Increase Mather, foi um garoto prodígio, ingressou na conceituada Faculdade de Harvard com apenas 12 anos. Com 18 anos incompletos já era detentor do título de mestrado em medicina.

Cotton queria ser professor em Harvard, mas uma limitação funcional aniquilou esse sonho: ele era gago. Frustrado, por não atuar na função que sempre sonhou, acabou optando pela vida religiosa. Obviamente, a mudança forçada de rumo na sua vida deixou marcas que transformaram o ex-aspirante a professor em uma figura amarga.

Em 1865, com apenas 22 anos, Cotton começou a atuar como pastor assistente ajudando o seu pai. A vida religiosa não o afastou da medicina. Aplicado, estudava os distúrbios da mente, sobretudo a histeria. Ciência e religião transitaram na vida de Mather e, por vezes, acabaram se misturando. Seu nome foi eternizado no polêmico caso dos julgamentos das Bruxas de Salém, ocorridos em Massachusetts, em 1692. Mather era o religioso responsável pelo vilarejo de Salém. Ali, ele era encarregado de fazer as acusações contra os supostos praticantes de bruxaria. Estes eram levados a julgamento na corte do juiz Samuel Sewall que seguia, sem contestar, as indicações dele.

As perseguições às supostas Bruxas de Salém começaram a partir do julgamento de uma escrava de nome Tituba, que diziam ser praticante de vuduismo. Na verdade, Tituba havia contado histórias sobre vudus - Comuns na África Ocidental, seu local de origem - para algumas amigas que ficaram impressionadas e acabaram tendo pesadelos. Um médico acabou atestando que as meninas estavam embruxadas. Uma histeria coletiva tomou conta de Salém e dezenas de mulheres foram declaradas bruxas sendo, posteriormente, executadas na fogueira.

Cotton Mather, um intelectual com formação clássica, transformou-se num cruel inquisidor que conseguia, inclusive, contaminar pessoas importantes com suas teses de satanismo e bruxaria. O próprio juiz Samuel Sewall, anos depois, reconheceu que as execuções ocorridas no vilarejo de Salém foram um erro. O modelo de Mather é reproduzido até os dias de hoje. Cansamos de ver na tevê histórias de linchamentos (físicos e de ordem moral) em que a histeria se sobrepõe à razão, tudo em nome da lei.

Abaixo, o trailer do Filme "As Bruxas de Salém (The Crucible)", bastante útil para melhor compreensão dessa triste história.

Comments

One response to “A INQUISIÇÃO PARTICULAR DE COTTON MATHER”

23 de novembro de 2009 09:10

O tsxto é ótimo, mas ainda com essa parada da Geysi? :S