O LIVRO DE ELI – MAIS DO MESMO

Conferi, hoje, o novo filme do Denzel Washington. Super produção, super divulgação, um site oficial belíssimo (confira aqui), mas o filme não passa de uma colagem de ideias já experimentadas na telona. No começo, lembra muito “Eu Sou A Lenda”, estrelado por Will Smith. A mesma atmosfera apocalíptica: a solidão de um planeta devastado. Só faltou o cachorro. Quando surgem outros personagens na trama, é absolutamente impossível não se lembrar do clássico “Mad Max”. Na primeira cena de ação, Eli é atacado por salteadores que usam um figurino parecidíssimo com o do filme do George Miller.

E as referências anteriores não param por aí. Quando Eli chega à cidade dominada por Carnegie (Gary Oldman) (que vive alucinado à procura do livro) o filme lembra outra produção do gênero apocalíptico: “Waterworld”, estrelado por Kevin Costner. A forma como se referem à água em “O Livro de Eli” é a mesma como se referiam à Terra em “Waterworld”. A super valorização de gêneros de primeira necessidade e um lugar mítico imaginado como ideal pra se viver num planeta devastado.

Comparações à parte, o argumento do filme é muito fraco. Tentaram dar um tratamento religioso ao eixo da trama com a referência à Bíblia, tratada, genericamente, como “o livro”. Claro que a saga de Eli tem interpretação livre, é bastante subjetiva. Ele protegeu o livro achando que todos os outros exemplares do planeta – algo inimaginável até na ficção – haviam sido queimados. É uma mensagem de fé, carregada de lirismo. Ele não preservou apenas o livro, mas também a sua fé. O filme tem algumas mensagens subliminares. O legado cultural da humanidade, na história, está protegido na antiga e lendária prisão de Alcatraz. O local construído para punir tornou-se um centro de esperança. Outras: o filme dá uma alfinetada em Dan Brown quando Carnegie manda queimar alguns livros, entre eles “O Código Da Vinci”. Aplaudi! Carnegie queria usar a Bíblia para conseguir mais poder, algo comum nos nossos dias. O veredito final é que o filme ficou devendo.

Ficha Técnica

Título original: The Boock Of Eli

Título no Brasil: O Livro de Eli

Direção: Albert Hughes e Allen Hughes

Roteiro: Gary Whitta

Fotografia: Don Burgess

Duração: 118 min

Lançamento: 18 de Março

Elenco: Denzel Washington, Mila Kunis, Michael Gambon, Jennifer Beals, Gary Oldman, Evan Jones, Ray Stevenson.

Comments

One response to “O LIVRO DE ELI – MAIS DO MESMO”

Bete Meira disse...
17 de julho de 2010 02:07

Estava ansiosa para ver esse filme porque uma vizinha o encheu de elogios. Quando finalmente o vi, que decepção!Achei chatinho, parado, insosso... melhor ter ficado na curiosidade!

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');