BREVE COMENTÁRIO SOBRE O REI ROBERTO CARLOS

Sempre que comento com algum amigo que gosto de ouvir Roberto Carlos, tem sempre alguém torcendo o nariz e dizendo: “Não aguento as chatices dele”. Isso porque quase todos os críticos do Rei cometem o erro de julgá-lo pelo momento atual. O velho adágio “A última imagem é a que fica” explica isso. Uma pena. Roberto é um artista importantíssimo na música popular brasileira. No início da carreira ajudou a sedimentar o pop rock brasileiro com dois grandes discos: Roberto Carlos 1966 e Roberto Carlos Em Ritmo de Aventura1967.

Durante muito tempo ele foi um artista originalíssimo. Em 1967 lançou o filme “Roberto Carlos Em Ritmo de Aventura” que fazia parte do projeto do disco homônimo. Nesse filme, o clipe da música “Quando” foi gravadono alto do edifício Copam, em São Paulo. Um ano depois os Beatles realizavam um evento com uma configuração idêntica, o “RooftopConcert”, que ganhou o mundo como ideia original. O clipe da música “Quando” é belíssimo, Roberto de caxarrel e capa preta, uma bandinha de rock acompanhando e um cenário reproduzindo uma sala cheia de belas modelos.

Ele foi original até 1983 quando lançou seu último bom disco. Claro, esse é um julgamento particular, absolutamente subjetivo. Entretanto, sei que muitos comungam dessa opinião. O contrato com a Rede Globo garantiu a ele a mitificação, mas tirou-lhe o direito de gravar um disco quando quisesse. Durante anos foi obrigado a lançar o famoso disco de final de ano. Tornou-se, então, um produto da mídia, e passou a homenagear as gordinhas, baixinhas, atrizes, as de óculos, o símbolo sexual, as santas e etc.

O mais importante, entretanto, é não esquecermos o legado dele. Roberto Carlos é tão importante que serve, inclusive, como referência temporal. Quando eu garimpava revistinhas de cifras de violão pelos cebos do Recife, manuseava revistas velhas e só as músicas do Roberto – fosse qual fosse a época – eram-me familiar. Mesmo quem não gosta dele sabe do que estou falando. Cada hit, por mais longínqua que seja a data, serve como uma referência temporal, remete a uma situação, uma lembrança registrada no disco rígido da memória. Poucos artistas conseguem isso.

Eternizar essa melancolia atual do Rei, seria a repetição do erro cometido com Elvis Presley, por exemplo. O Rei do Rock teve momentos brilhantes na sua carreira, mas eternizaram a imagem do Elvis com aquela roupa brega cheia de babados. A fase decadente foi eternizada. O mesmo vem acontecendo com Roberto, ninguém lembra mais do Roberto da década de 70, por exemplo. Ora (direis) “a culpa é dele mesmo”. E eu vos direi, no entanto: ouça o disco que quiser. Desligue a tevê no especial de fim de ano e ponha no seu Blu-ray o filme “Em Ritmo de Aventura”. Tens ou não o livre arbítrio?

Comments

2 Responses to “BREVE COMENTÁRIO SOBRE O REI ROBERTO CARLOS”

Anônimo disse...
8 de dezembro de 2014 06:51

Ed. Vc escreve mt bem. Concordo com td sobre Roberto. E o que rola sobre a participação dele como colaborador da ditadura, Tem fundamento?

Anônimo disse...
8 de dezembro de 2014 06:52

Ed. Vc escreve mt bem. Concordo com td sobre Roberto. E o que rola sobre a participação dele como colaborador da ditadura, Tem fundamento?