TEMPLOS SAGRADOS DA CULTURA POP – PARTE 1

CBGB – Foi um lendário espaço underground de Nova York que funcionou de 1973 a 2006. O nome completo desse lendário clube era CBGB & OMFUG ("Country, Bluegrass, and Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers"), em tradução literal: "Country, Bluegrass e Blues e outras músicas para levantar gulosos”. O clube, na verdade, começou bem antes de 1973. Em 1965 era um espaço temático especializado em Coutry Music e Blues. Só depois que Hilly Kristal, o proprietário do local, resolveu abrir o espaço para a música punk, ele tornou-se uma referência em Nova York. Por lá passaram nomes como Lou Reed e Velvet Underground, Patti Smith, The Strooges, Ramones, Sex Pistols, Ratos de Porão e Chico Science & Nação Zumbi. Atualmente no local do lendário clube funciona uma loja de roupas. 
Circo Voador – A história do rock brasileiro está diretamente a esse lendário espaço cultural. Inaugurado em janeiro de 1982, funcionava, inicialmente, na praia do Arpoador. Nomes consagrados da música e da tevê brasileira, iniciaram suas carreiras embaixo da lona azul do Circo Voador. O lendário grupo de teatro “Asdrubal Trouxe o Trombone” participou ativamente da criação do Espaço. Nomes como Patrícia Travassos, Regina Casé, Evandro Mesquita e Luiz Fernando Guimarães faziam parte da troupe. Já com residência fixa na Lapa, o Circo viu o rock brasileiro renascer e ganhar identidade própria. Passaram por lá no inicio da carreira: Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso, Blitz, Legião Urbana, Kid Abelha, Capital Inicial e Lobão, entre outros. O Circo Voador foi fechado em 1996, depois reaberto em 2002. Atualmente está na ativa e funciona na Rua dos Arcos, Centro, Rio de Janeiro.
Cavern Club – Não era bem um espaço cultural, na verdade era um inferninho localizado nos fundos de um bar. Mas o Cavern Club lançou a banda pop mais famosa do mundo, The Beatles. Inaugurado em 1957, por Alan Sytner, foi idealizado para funcionar como um clube de jazz. Mas com a efervescência do rock, que estava em faze embrionária, o espaço foi se transformando e tornou-se um point de bandas de rock e skiffle. O The Quarryman, embrião dos Beatles, tocou no Cavern entre 1956 e 1959. A partir de 1961, já como “The Beatles”, passaram a fazer apresentações regulares até 1963, quando a banda tornou-se uma febre mundial e ficou grande demais para o clube. Os Beatles fizeram quase trezentos shows no Caven Clube. Além dos Beatles, passaram pelo Cavern: Rolling Stones, Queen, Elton John, The Yardbirds, John Lee Hooker e o Focus. Em 1973 o Cavern foi demolido. No ano de 1984, o jogador de futebol do Liverpool, Tommy Simth, reconstruiu o lendário clube quase no mesmo local do original. Atualmente, além do Cavern de Tommy, existe um outro, na mesma rua, funcionando a todo vapor.
Madame Satã – É um lendário espaço cultural de São Paulo. Inaugurado no dia 21 de outubro de 1983, funcionou regularmente até 2009. No dia 29 de fevereiro de 2012, foi reaberto e voltou à ativa. Na década de 80, várias bandas do rock brasileiro passaram pelo Madame Satã. Nomes consagrados tocaram no velho casarão da bela Vista no início da carreira. Passaram por lá: RPM, Titãs, Ira, Legião Urbana, Akira S, Gang 90, entre outros. 
Studio 54 – Falar da geração disco e não lembrar dessa lendária discoteca, é um sacrilégio imperdoável. Durante nove anos – de 1977 a 1986 – esse templo sagrado da cultura pop lançou moda e serviu de inspiração para outras casas do gênero. Idealizada por Steve Rubell, iniciou suas atividades no dia 26 de abril de 1977. Foi ele quem criou o formato de danceteria que eternizou a geração disco: luz estroboscópica, gelo seco e um globo espelhado girando no centro. O lugar funcionava como uma ilha da fantasia onde todos os exageros eram experimentado. A casa fechou suas portas em março de 1986. Rubell faleceu de AIDS, três anos depois. Atualmente, no endereço onde existia a Studio 54, funciona uma companhia de teatro, a Roundaboat.

Comments

No responses to “TEMPLOS SAGRADOS DA CULTURA POP – PARTE 1”