SPOK FREVO ORQUESTRA, FREVO COM SOTAQUE DE JAZZ

“Nós fazemos frevo para se ouvir e tocar em teatros”, é o que sempre fala o maestro Spok, da Spok Frevo Orquestra. O que é que o frevo dele tem de diferente? Ele revisita clássicos do frevo pernambucano usando uma linguagem jazzística que moderniza o ritmo, sem que a identidade seja perdida.

A orquestra surgiu em 1996 nos ensaios do bloco “Na Pancada do Ganzá”, do mestre Antônio de Nóbrega. Na Spok Frevo Orquestra, os músicos não são presos a partitura, como ocorre nas orquestras tradicionais. Sobre o assunto, o próprio maestro explica: “Uma coisa que sempre notei no frevo foi que o músico nunca teve oportunidade de se expressar, limitava-se a tocar o que o compositor escrevia na partitura, declarou Spok ao jornalista José Teles. O frevo é uma música única e diferente de todas, animada e com uma magia especial: a de passar felicidade”.

Nesse final de semana, um dos mais tradicionais palcos da Europa, o Barbican Hall, teve a honra receber a Spok Frevo Orquestra. Hoje os telejornais aqui do Recife mostraram a platéia em êxtase total saboreando o novo frevo pernambucano. Sim, novo, o ritmo foi reinventado e suas raízes foram devidamente conservadas. Confira no vídeo abaixo o que esse breve post tenta descrever. De quebra,belíssimas imagens do meu Recife:

*Myspace Spok Frevo Orquestra - Clique Aqui

Comments

2 Responses to “SPOK FREVO ORQUESTRA, FREVO COM SOTAQUE DE JAZZ”

blog disse...
28 de julho de 2009 01:36

Sensacional, Ed. A estrutura é jazzística. O misancene também, com os negões improvisando em cima de uma linha melódica.
Muito interessante.

Dia desses li um historiador afirmar que a origem do frevo não é pernambucana, e sim européia. Pode ser, mas ninguém faz esse som como vcs.

Abraço.

Grijó

Paulo Roberto disse...
29 de julho de 2009 09:26

Resumino em uma palavra:
ORGULHO!

Engraçado que meu novo post tem haver com esse seu texto.
Sou seu seguidor no twitter tbm.
abraço!