O FINAL DA NOVELA E A REALIDADE BRASILEIRA


Raul Cadore: roubou dinheiro da família, forjou sua morte e acabou livre.
Gopal: ajudou Raul Cadore mesmo sabendo que ele era culpado. Tudo por dinheiro. Acabou livre.
Yvone: psicopata, ladra, uma golpista de primeira, procurada em vários países do mundo. Acabou livre.
Julinha: envolveu-se com uma quadrilha de assaltantes, ajudou num assalto, guardou em casa a arma do crime, planejou o sequestro do tio, pretendia matá-lo. Acabou livre.
Zeca: aprontou a novela inteira, fez todo o tipo de malandragem. Avançou sinal e envolveu-se num grave acidente de trânsito. Atropelou uma mulher grávida, que acabou perdendo o bebê. Teve uma pena branda: contar historinhas para crianças em uma ONG. Se ele fosse negro e pobre, será que o juiz daria (ou teria, usando a outra acepção da palavra) a mesma “pena”?
Radesh: Foi pego pela polícia depois de participar de um assalto onde uma vítima (Raul Cadore) saiu baleada. Durante toda a novela enganou as pessoas personificando a figura do 171. Enganou uma família indiana e roubou o dote. Acabou livre.
Ramiro Cadore: forjou o assalto no qual seu irmão foi baleado. Acabou livre posando de bom moço.
Namit (pai do Radesh) : fingiu ser marajá, participou da farsa do dote. Acabou livre no Brasil.
Talvez essa avalanche de impunidade seja um reflexo da indignação da Glória Perez. Os assassinos da sua filha, Guilherme de Pádua e esposa, mesmo tendo cometido um crime hediondo (assassinato por motivo fútil), tiveram direito a cumprir parte da pena em liberdade. Brasil, mostra a tua cara!”

Comments

2 Responses to “O FINAL DA NOVELA E A REALIDADE BRASILEIRA”

Bete Meira disse...
13 de setembro de 2009 22:04

Boa reflexão!Quero destacar a conduta absurda de Zeca a novela inteira,desacatando professora,diretora,colegas,aterrorizando as pessoas nas ruas,sempre incentivado e acobertado pelos pais.Esperei que algo acontecesse no meio da novela e nada!Pensei que seria um gancho pra desencorajar atitudes iguais na sociedade,mas infelizmente ele manteve a mesma conduta a novela inteira e seus pais também.Apenas Glória pode confirmar mas concordo com sua inferência: impunidade na vida real X impunidade na ficção. Os assassinos frios conseguiram indulto,ou seja,ficha limpa.Como se fossem réus primários,como se nunca houvessem assassinado bárbara e covardemente Daniela Perez,uma atriz jovem,linda,casada com Raul Gazola,um brilhante futuro pela frente.Um final brutal,covarde,surpreendente,chocante,inexplicável para o que prometia ser um sucesso: um jovem e bonito ator,uma jovem e bela atriz,um lindo par romântico na novela global do horário nobre... um casal de psicopatas,um ciúme doentio,um possível pacto satânico,uma provável "prova de amor", um crime covarde, uma impunidade vergonhosa.

Paulo Roberto disse...
14 de setembro de 2009 08:40

Brasil > o Paraíso da impunidade!

O novo layout ficou d+
Aqui sempre post atuais interessantes.
E vc sabe sou seu fã.
Aquele abraço!