SUBVERTENDO OS QUATRO ESTÁGIOS

Houve um tempo em que o indivíduo que cometia um crime cumpria quatro estágios: VIATURA - DELEGACIA - PRESÍDIO - PENITENCIÁRIA. Num país onde o sistema judiciário e carcerário funciona ,ainda é assim.

Nos últimos anos o Brasil vem subvertendo essa regra básica. Primeiro as penitenciarias ficaram superlotadas e os presos tinham que cumprir suas penas nos presídios (pra quem não sabe, esse é o local onde o detento aguarda o julgamento). Hoje em dia, os presídios estão superlotados e os presos estão cumprindo as penas na delegacia mesmo, os famosos "cadeiões".

Em breve, muito em breve, eles estarão cumprindo as suas penas dentro da viatura. Surrealismo? não, realidade brasileira! triste e inaceitável realidade brasileira. "Não diga tudo bem diante do inaceitável, a fim de que este não passe por imutável", a célebre frase do Brecht deveria ser estampada em neon pelos quatro cantos do Brasil. Temos que nos inconformar, temos que lutar contra isso!!!!

Comments

7 Responses to “SUBVERTENDO OS QUATRO ESTÁGIOS”

Dan Dualiby disse...
22 de fevereiro de 2008 00:06

Deprimente, recentemente escrevi um texto sobre a decadência do sistema carcerário e , de fato, os dados são alarmantes. Ao invés de ressocializar, forma-se uma verdadeira, e essa expressão é recorrente, Escola do Crime.
Desse jeito fica difícil....
Bem engajao o seu blog.


http://pontodcom.blogspot.com/

lisspow disse...
22 de fevereiro de 2008 01:16

sinceramente, eu não me importo muito com os direitos dos presos...

Anônimo disse...
22 de fevereiro de 2008 16:59

A triste realidade é que presidiário não vota. E por isso mesmo, os políticos acham perda de tempo investir no setor. Varrem a sujeira para debaixo do pano e que se danem as leis. O Judiciário por sua vez, faz vista grossa e deixa de lado seu papel constitucional de fiscalizar as leis e nada conforme a maré. Enfim: estamos roubados (de todas as formas).

Katarina disse...
22 de fevereiro de 2008 19:12

Gostei muito do seu blog. Ele merece o título que tem. Quanto à matéria sobre a realidade brasileira dos presídios, realmente é revoltante... e o pior de tudo é que ainda tem advogado que sustenta que não vale a pena punir já que não tem lugar para colocar o condenado...
Para quê limpar a bunda então?

23 de fevereiro de 2008 01:26

Falando a verdade.
Estão tão lotados os presídios, que os presos já "deviam" estar nos camburões!
Gostei da frase citada!
Ótima frase!
Ótimo post!
Boa noite!
Abraço

Anônimo disse...
23 de fevereiro de 2008 17:22

é o superlotamento dos presideoas e lago polemico...

mas seria justo um cara q mata estrupa rouba

ficar em um lugar limpinho e espaçoso,,,

?

muito legal esse texto

abraço

Anônimo disse...
11 de dezembro de 2008 00:49

Hello,oi sou marcos quero dizer que porque não um sistema de prisão diferente au invés de carceragem por que,não por os presos trabalharem para a comunidade,vale apena lembrar que trabalho poucos gostam.
Se a cada 5 anos de prisão o preso tivesse trabalhar 2 1/2 garanto que ninguém mais, roubaria ou matária alguem de cada 10 ANOS CINCO seria de trabalho forçado no campo, posso afirmar que não averia mais roubo e violencia nesse nosso país.Que nos faz lembrar dos nossos políticos corruptos,e sistemas ultrapassados de carceragem ou seja prisões amarrotadas de detentos gordos e robustos e cada vez mais violentos.
ass. Mrs.

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');