HIROSHIMA, NAGASAKI E OS IRRACIONAIS

Hoje faz 64 anos que o Enola Gay cuspiu no céu de Hiroshima uma célula de morte. O que mais temos a dizer a respeito desse ato extremo de irracionalidade? Lamentar a triste condição humana? Clamar por paz num tempo em que nem mais a voz, a simples voz, nos é permitido emitir. Falar de Hiroshima e Nagasaki é chegar à triste conclusão de que o irracional sempre vence. E vence mesmo, olhe do seu lado: o lixo no chão, os meninos no sinal, os profetas nas esquinas. Abra o seu jornal, leia as notícias que vêm do Senado, leia qualquer notícia que vem de Brasília.

Os irracionais sempre vencem e nós ficamos olhando como se esperássemos, inertes, a célula enviada pelo Enola Gay. Se você crê, reze (ou ore) pelos 200 milhões de mortos que pereceram em Hiroshima e Nagasaki. Enfrente os irracionais! Não os deixe tomar seu lugar no ônibus, amanhã tomarão seu emprego, depois sua vida. Pensando bem, é fácil vencer os irracionais porque você raciocina.

Comments

One response to “HIROSHIMA, NAGASAKI E OS IRRACIONAIS”

Bete Meira disse...
6 de agosto de 2009 03:48

"Pense nas crianças mudas telepáticas
Pense nas meninas cegas inexatas
Pense nas mulheres, rotas alteradas
Pense nas feridas como rosas cálidas
Mas só não se esqueça da rosa, da rosa
Da rosa de Hiroshima, a rosa hereditária
A rosa radiotiva, estúpida, inválida
A rosa com cirrose a anti-rosa atômica
Sem cor, sem perfume, sem rosa, sem nada"