JUDAS ISCARIOTES, O PRIMEIRO BODE EXPIATÓRIO DA HUMANIDADE

Quando era criança via meus amigos chamar de Judas aqueles que cometiam algum ato de traição ou covardia. A imagem desse controvertido apóstolo sempre gerou discussões. Hoje em dia a questão mais comum envolvendo a figura do Judas é: ele foi um mero traidor, ou executou à risca o papel que lhe coube na história de Jesus Cristo? A segunda hipótese, na visão dos estudiosos de religião (não confundir com religiosos), é a que ganha mais força hoje em dia.

Jesus precisava passar por todos os percalços que compuseram a chamada “Paixão de Cristo”. O crescimento como pastor (no sentido religioso), a reunião dos apóstolos, o choque com o poder de Roma, a traição – na qual Judas teve um papel importante – a condenação, o martírio e a ressurreição ao terceiro dia. Se Judas não cumprisse o papel que, supostamente , Jesus lhe reservou, a história seria outra. A marca (ou mácula) da traição, segundo a visão moderna da história do cristianismo, teria sido proposta a Judas Iscariotes como um sacrifício em nome do amor que ele nutria pelo seu mestre.

Sacrifício em nome do amor? Entenda: ele sabia que cumprindo esse papel entraria para história como um traidor, um homem que se vendeu. Mesmo assim cumpriu fielmente sua sina. Compare o ato de Judas com a célebre negação de Pedro: Judas traiu Jesus uma vez, Pedro três vezes. Cada vez que ele negou conhecer Jesus, podemos entender como uma traição. Por que Pedro foi perdoado e Judas não?

Judas Iscariotes foi escolhido para executar a tarefa mais difícil e mais inglória da história de Jesus Cristo. Por ter cumprido seu papel com fidelidade, Jesus foi crucificado e o cristianismo virou uma das maiores religiões do planeta. No sábado de aleluia, se você é um cristão, ao invés de “malhar o Judas”, faça uma reverência. Dentre todos os apóstolos, coube a ele o maior sacrifício.

Comments

5 Responses to “JUDAS ISCARIOTES, O PRIMEIRO BODE EXPIATÓRIO DA HUMANIDADE”

Bete Meira disse...
28 de agosto de 2009 00:17

Nunca malhei o Judas nem malharei. Quantas vezes traímos Jesus quando não somos solidários,não visitamos os presos,não amparamos os órfãos e as viúvas,etc,etc,etc...?? Sem dúvida Judas cumpriu o papel que lhe coube mas não tinha essa consciência,não se sacrificou!Pedro foi perdoado porque se arrependeu e Judas apenas sentiu remorso e se suicidou porque não suportou a culpa de trair um inocente,ainda mais com um beijo.

ED CAVALCANTE disse...
28 de agosto de 2009 21:02

Sentir remorso não é um sinal de arrependimento? Por que Judas não foi perdoado? Por que é sempre lembrado pelo lado negro?

Marcus disse...
28 de agosto de 2009 21:23

Não é só judas que errou, todo mundo comete erro, e os erros tem consequencias...

ED CAVALCANTE disse...
30 de agosto de 2009 21:12

Comentário enviado por e-mail pelo meu amigo Ricardo, professor de artes:

Caro Ed, continuo apreciando muito sua então "jornália" pois entre outros, é bastante desafiadora, inquietante e isto é muito bom pois nos faz sair do marasmo e tomar uma posição, portanto não poderia deixar de dizer que há uma grande diferença entre Judas Iscariotes e Pedro, (resumo das sagradas escrituras), que prioritariamente vai nos mostrar um Judas cheio de remorços e não arrependido, dando prioridade as coisas materiais e sempre, não apenas quando vendeu Jesus mas um pouco antes quando reclamou do vidro de nardo fino que foi quebrado sobre Jesus, dizendo que seria "melhor vender este perfume e dá aos pobres", talvez até uma boa intensão, daquelas que o inferno está cheio, ao contrario de Pedro apostolo que encontrava-se num processo de conversão, onde se arrependeu a ponto de se entregar a morte, trágica posteriormente pela fé no mesmo Cristo que ele anteiormente havia traído, produzindo assim uma visão pedagógica daquele que mostra o caminho aos próximos Critãos.
Grande Abraço,
Ricardo.

ED CAVALCANTE disse...
1 de setembro de 2009 22:36

Valeu pelo toque, Grijó, palavra corrigida. Vou demitir minha revisora! kkkkkkk