ESCAVADORES (BURROWERS) – UM WESTERN DE TERROR

Não sei se essa classificação existe mas “Escavadores” (Burrrowers) é o que eu chamaria de um “western de terror”. A história se passa em 1879, nos Territórios de Dakota, em pleno velho oeste, área de conflitos intensos entre os colonizadores e os índios. O ponto de partida, para o grande mistério que serve de eixo para a trama, é o desparecimento de uma família de colonos. Entre eles a jovem Mayanna (Jocelin Dohanue), futura esposa de Fergus Coffey (Karl Geary), o protagonista da história.

O filme do diretor J.T Petty mistura elementos dos filmes de cowboy com o mais puro thriller. Não chega a ser novidade. Em “Desaparecidos”, Ron Howard levou o suspense e o misticismo para o ambiente do velho oeste conseguindo uma composição interessante. Em “Escavadores” J.T Petty também conseguiu um bom resultado. Mas o filme não é só uma história de terror. Nas entrelinhas da trama, Petty levanta a bandeira em defesa dos povos indígenas da América do Norte.

Durante todo o filme, os índios aparecem como vítimas da estupidez do colonizador. A mensagem de J.T Petty fica clarissima no desfecho da história em que ele mostra o desperdicio da sapiência do índio e o triunfo da estupidez do homem branco. Quanto à parte do terror, o filme rende bons sustos. O mistério do desaparecimento das pessoas, apesar de bizarro, tem a ver com a destruição do ambiente natural pelo branco colonizador. Vale o susto!

Ficha Técnica

Título original: Burrowers

Elenco: Clancy Brown, Jocelin Dohanue, William Mapother, Karl Geary.

Direção: J.T. Petty

Gênero: Terror

Duração: 96 min.

Distribuidora: Imagem Filmes

Estreia: Direto em DVD - Abril de 2010

CADÊ O ECUMENISMO?

Topei, por acaso, com um post do Yahoo que informava sobre os resultados (absolutamente previsíveis, para mim) de uma pesquisa da antropóloga Débora Diniz, da UNB, mostrando o caráter preconceituoso do ensino religioso no Brasil. De cara, antes de entrar no mérito da questão, vale lembrar que ensinar religião em instituições públicas, segundo a Constituição Brasileira, é inconcebível já que a Carta Magna sugere que o Estado deva ser laico. Mas isso é outra história.

Dois pontos explicitados na pesquisa conheço por experiência própria. Uma das escolas em que leciono ostenta, na sala dos professores, uma imagem religiosa. Um espaço público, como indica o adjetivo, deve servir e se adequar a todos. Fazer referência a uma religião apenas, é preconceito. O outro ponto é a questão do ateísmo. Na pesquisa, Débora Diniz verificou que os ateus são, constantemente, associados a pessoas violentas, com desvio de caráter e até nazistas. O mais grave é que a base da pesquisa foram os títulos utilizados nas escolas públicas federais. Ou seja, o preconceito está quase institucionalizado. Exatamente por isso, qualquer manifestação religiosa de origem não-cristã é tida como folclore ou tradição, na acepção mais pejorativa que esses termos carregam. Assim, como nos tempos mais remotos, essas “verdades” veiculadas por instituições públicas transformam qualquer coisa ou pessoa diferente, do que eles julgam normais, em aberrações.

Muitos desses cristãos só professam esse credo porque receberam (de forma impositiva) do colonizador português essa “verdade” que domina as escolas. Com certeza se o Brasil tivesse sido colonizado por um país muçulmano eles estariam defendendo agora o uso da burca e a obrigatoriedade da barba de eremita. Se querem contrariar a Constituição ensinando religião nas escolas, ao menos o façam com base no ecumenismo.

Além da Constituição,a forma como ensinam religião fere a LDB, que prevê no seu Art. 33º:

O ensino religioso, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários

normais das escolas públicas de ensino fundamental, sendo oferecido, sem ônus para os

cofres públicos, de acordo com as preferências manifestadas pelos alunos ou por seus

responsáveis, em caráter:

I - confessional, de acordo com a opção religiosa do aluno ou do seu responsável,

ministrado por professores ou orientadores religiosos preparados e credenciados pelas

respectivas igrejas ou entidades religiosas; ou

II - interconfessional, resultante de acordo entre as diversas entidades religiosas, que se

responsabilizarão pela elaboração do respectivo programa”.

Traduzindo: o professor (ou quem quer que seja) que ministre aulas de religião, não pode receber por esse trabalho, já que a lei é categórica quando acentua que o ensino religioso deve ser oferecido “sem ônus para os cofres públicos”. Quem trabalha no ensino público sabe que é praxe professores da área de humanas completarem sua carga horária dando “aulas” de religião. Enquanto cada um impõe o seu credo como sendo a melhor religião para todos, o ecumenismo e o bom senso são jogados na lata do lixo.

ELE NÃO TINHA O DIREITO DE ATRAPALHAR A MINHA TORCIDA ASSIM

Falaram tanto que Dunga parecia com o Schwarzenegger que ele acabou acreditando. Vi atentamente o triste espetáculo protagonizado pelo técnico da Seleção Brasileira e não me surpreendi. Essa explosão, do técnico Dunga, é o rescaldo do rancor que ele alimenta há vinte anos. O enfrentamento com os repórteres tornou-se rotina na história dele na Seleção Brasileira.

Não vou analisar a questão colocando Dunga como vilão e a Globo como vítima, não é esse o caso. Todo mundo sabe que existem interesses por trás desse racha entre as duas partes. Na Copa anterior, a Vênus Platinada tinha acesso ao ônibus da Seleção, tinha exclusividade. Com o Dunga a emissora é apenas mais uma na coletiva. Mas o que nós torcedores temos com isso? Por que eu tenho que achar normal o técnico da Seleção do meu país se comportar de uma forma ABSURDAMENTE reprovável, com palavras de baixo calão e grosserias de toda espécie?

O que mais me surpreendeu foi ver um monte de gente, sob o pretexto de se posicionar conta a Rede Globo, achar normal a falta de educação do técnico brasileiro. Imagine se a Seleção Brasileira for campeã? Imagine a soberba, a arrogância, a intolerância dessa criatura? Torcer pela Seleção implica em torcer pelo êxito de Dunga. Torcer pelo êxito da grosseria, da soberba e da intolerância. Ele não tinha o direito de atrapalhar a minha torcida assim!

ASSIM FALOU (ESCREVEU) SARAMAGO

Sobre imortalidade:

Os bons e os maus resultados dos nossos ditos e obras vão-se distribuindo, supõe-se que de uma maneira bastante uniforme e equilibrada, por todos os dias do futuro, incluindo aqueles, infindáveis, em que já cá não estaremos para poder comprová-lo, para congratularmo-nos ou para pedir perdão, aliás, há quem diga que é isto a imortalidade de que tanto se fala”.

Sobre solidão:

Para temperamentos nostálgicos, em geral quebradiços, pouco flexíveis, viver sozinho é um duríssimo castigo”.

Sobre o tempo:

Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais.”

Sobre a cria de Cervantes:

Dulcineia

Quem tu és não importa, nem conheces

O sonho em que nasceu a tua face:

Cristal vazio e mudo.

Do sangue de Quixote te alimentas,

Da alma que nele morre é que recebes

A força de seres tudo.”

Sobre ganhar e perder:

O que as vitórias têm de mau é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas.”

Sobre a morte:

O pior que a morte tem é que antes estavas, agora não estás mais.”

Sobre o ato de recriar:

Os lugares-comuns, as frases feitas, os bordões, os narizes-de-cera, as sentenças de almanaque, os rifões e provérbios, tudo pode aparecer como novidade, a questão está só em saber manejar adequadamente as palavras que estejam antes e depois.”

Sobre o seu ateísmo:

Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro.”

Sobre as voltas que o mundo dá:

"Das habilidades que o mundo sabe, essa ainda é a que faz melhor: Dar voltas.''

Sobre a natureza humana:

Com a tripa em sossego qualquer um tem ideias, discutir, por exemplo, se existe uma relação direta entre os olhos e os sentimentos, ou se o sentido da responsabilidade é a consequência natural de uma boa visão, mas quando a aflição aperta, quando o corpo se nos desmanda de dor e angústia, então é que se vê o animalzinho que somos.”

Sobre a soberba:

Tolerar a existência do outro e permitir que ele seja diferente, ainda é muito pouco. Quando se tolera, apenas se concede, e essa não é uma relação de igualdade, mas de superioridade de um sobre o outro.”

03 ANOS DO JORNÁLIA

Mensagens para Orkut - Feliz Aniversario

Pois é, galera, o Jornália completou três anos no último dia 09 de junho. Como sempre acontece, esqueci-me de celebrar na data. Mas o fato é que esse espaço, como quase todo blog, foi criado quase que por acaso e agora serve como válvula de escape para o estresse do cotidiano. Obrigado aos mais de 70 mil visitantes, aos amigos que visitam e comentam, aos que passam aqui apenas por curiosidade, aos que contribuíram com textos e dicas e, claro, um agradecimento especial à revisora (caxias) do blog, Bete Meira, que enche de vírgulas os meus textos, de vez em quando "fica passada" (palavras dela) com as barbaridades que cometo exercitando a difícil (mas saborosa) arte de escrever, enfim, obrigado a todos!

CLÁSSICOS DA SESSÃO DA TARDE (PARTE 2)

11 - O Clube dos Cinco (The Breakfast Club) – 1985 - Esse filme não está entre os mais reprisados da Sessão da Tarde mas tem cadeira cativa nessa lista porque é um dos mais cultuados. Tanto que ganhou um remake. A versão original é estrelada por “Emilio Estevez(Andrew), “Anthony Michael Hall (Brian )”, “Judd Nelson (John)”, “Molly Ringwald (Claire)” e “Ally SheedY (Allison)”. A história é bem simples: cinco jovens enfrentam juntos uma detenção de colégio num sábado. Incumbidos de redigir um texto de mil palavras sobre bom comportamento, eles acabam se descobrindo. Uma delícia de filme!

12 - Alguém Muito Especial (Some Kind of Wonderful) - 1987 : Essa deliciosa comédia romântica adolescente é uma campeã de reprises da Sessão da Tarde. A história tem como base um inusitado triângulo amoroso: Keith Nelson (Eric Stoltz), um jovem que sonha em ser artista plástico mas não quer ir para faculdade (contrariando os sonhos do seu pai) fica atraido pela patricinha Amanda Jones (Lea Thompson). Para conquistá-la, pede ajuda à sua inseparável amiga Watts (Mary Stuart Materson) sem saber que, secretamente, ela alimenta uma paixão por ele. É uma linda história com final feliz. Inesquecível!

13 - Um Príncipe em Nova York (Coming to América) - 1988 : Apesar de não ser um filme amado por muitos é um dos campeões de reprises da Sessão da Tarde. O filme, estrelado pelo comediante Eddie Murphy, conta a história do príncipe herdeiro Akeem, do fictício país africano da Zamunda. Revoltado com seu pai, que queria obrigá-lo a se casar, ele decidiu viajar para Nova York onde conheceu a jovem Lisa (Shari Hadley), filha de um dono de lanchonete. É um dos filmes trash, do irregular Eddie Murphy, mais reprisados.

14 - O Rapto do Menino Dourado (The Golden Child) - 1986: Eddie Murph tem cadeira cativa na Sessão da Tarde, isso é fato. Esse filme é o melhor e um dos mais reprisados dele. Comédia, magia negra e muita aventura combinam com uma tarde chuvosa e uma tevê sintonizada na Sessão da tarde. Delícia!

15 - Um Tira da Pesada (Beverly Hills Cop) – 1984 - (e continuações): Mais um do Eddie Murph. Axel Foley é, sem dúvida alguma, o personagem mais marcante da sua carreira. Totalmente fora dos padrões, ele consegue resolver crimes e tirar qualquer chefe do sério. É um campeoníssimo de audiência. Vi várias vezes nas minhas tardes vazias!

16 - Cocoon – 1985 - (e continuação): Um adorável filme. Antes de povoar a Sessão da Tarde, foi reprisado várias vezes no fim de noite. Uma linda história conduzida sob a tutela de Steven Spielberg. É uma lição de vida que nos conduz a uma reflexão sobre o significado da velhice. Inesquecível!

17 - Conta Comigo (Stand By Me) - 1986: Mais um filme que brilhou nas reprises de fim de noite, depois ganhou a Sessão da Tarde. No elenco, jovens atores tidos como promessas na época: River Phoenix, Kiefer Sutherland e Corey Feldman. Dos três, apenas Kiefer Sutherland conseguiu o estrelato, faz grande sucesso hoje em dia encarnando o truculento Jack Bauer. River Phoenix teve a carreira interrompida de forma trágica em 1993, morreu vítima de overdose de barbitúricos. Corey Feldman brilhou no clássico “Sem Licença Pra Dirigir” e depois mergulhou numa carreira obscura sem grande sucesso. “Conta Comigo” narra a história de três amigos que encaram a aventura de encontrar o corpo de um garoto que morreu atropelado por um trem. Um lindo filme que mora no imaginário de muita gente pelo mundo afora.

18 - Os Garotos Perdidos (The Lost Boys) - 1987 : Mais um filme estrelado pela promessa (da época) Kiefer Sutherland. É um filme sobre vampiros adolescentes que tentam incorporar ao seu grupo dois garotos normais, Michael e Sam. O filme não figura nas listas dos grandes sucessos da Sessão da Tarde, mas, de vez em quando, é reprisado.

19 - Curso de Verão (Summer School) - 1987: Esse é um adorável filme que segue a batida (e muito eficiente) premissa do “professor que pega um grupo de alunos fracassados e consegue bons resultados”. Você, certamente, já viu essa história em várias versões. No clássico em questão, o professor Freddy Shoop (Mark Harmon) tem suas férias interrompidas para lecionar uma matéria diferente da sua para uma turma de desajustados. Uma comédia deliciosa que traz uma mensagem de superação, claramente percebida, no desfecho da trama. Inesquecível.

20 - Os Caça-Fantasmas (Ghost Busters) - 1984 - (e continuaçõe): A saga dos impagáveis caçadores de fantasmas começou em 1984 tornando-se um sucesso estrondoso. É um campeoníssimo de reprises na Sessão da Tarde. O sucesso foi tanto que o filme ganhou uma versão seriada em desenho também sucesso absoluto. Basta ouvir a música tema para entrar no clima desse adorável filme.
Abaixo, a inesquecível cena final de "Alguém Muito Especial". Relembre!

CLÁSSICOS DA SESSÃO DA TARDE (PARTE I)

A maioria desses filmes figura nas listas do cinema trash. Quem se importa? São clássicos que povoam o imaginário de muita gente. Não poderia ser de outra forma, depois de zilhões de reprises, essas adoráveis produções marcaram época. Quase todos eles são oriundos da década de 80, chamada por muitos, de “década trash”. Abaixo, a primeira parte da minha listinha dos maiores clássicos da Sessão da Tarde. Como toda apreciação particular, essa relação é absolutamente subjetiva e, claro, provocará discordância.

1 – Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Buller's Day Off - 1986): Clássico absoluto da Sessão da Tarde, um dos maiores ícones da década de 80, ect., etc, Dizer o que desse adorável filme? Ferris Bueller (Matthew Broderick) transformou-se num herói vingador dos gazeadores (cabuladores de aula, gazeteiros, dependendo do seu local de origem). As armações do Ferris para se dar bem e enganar o diretor Ed Rooney (Jeffrey Jones) faziam parte do imaginário de muitos garotos e por isso virou cult. É um dos campões de reprises.

2 – Karate Kid (The Karate Kid – 1984): As duas primeiras edições dessa trilogia são figurinhas carimbadas da Sessão da Tarde. A fórmula experimentada no filme foi muito parecida com a da série Kung Fu estrelada por David Carradine na década de 70. Um velho mestre japonês treinando um jovem discípulo. Claro, Daniel Larusso (Ralph Maccio) e Senhor Miyagi (Pat Morita) formaram uma dupla direcionada a um publico adolescente, com temática despretensiosa. Mesmo assim, o filme pegou e mora no imaginário de muita gente.

3- Aventureiros do Bairro Proibido (The Trouble in Litrle China - 1986): Trash total esse filme. Conta a história do caminhoneiro Jack Burton que foi a Chinatown para tentar resgatar a namorada de um amigo. O filme é cheio de esquisitices e tem muita magia negra.

4 – Esqueceram de Mim (Home Alone – 1990-1992); Na lisa dos clássicos da Sessão da Tarde, claro, entram apenas os dois filmes estrelados pelo “Maucalay Culkin”. Por mais que seja reprisado é sempre uma delícia ver o martírio daqueles dois atrapalhados ladrões sofrendo na mão do garoto Kevin. É uma inesquecível comédia natalina reprisada todo final de ano.

5 – A Lagoa Azul (The Blue Lagoon – 1980): Esse clássico do cinema adolescente da década de 80 catapultou a atriz Brookie Shields para o estrelato. Um filme lindíssimo que abordou temas polêmicos como sexualidade e religião de uma forma sutil. Depois do sucesso nas telonas virou um campeão de reprises na Sessão da Tarde.

6 – De Volta Pro Futuro (Back To The Future – 1985, 1989 e 1990): Os três filmes dessa adorável trilogia são clássicos. A dupla estrelada por Michael J. Fox (Marty Mcfly) e Christopher Lloyd (Dr. Emmett L. Brown ) esteve presente em todas as sequências com a mesma química. A um bom tempo o filme não é reprisado, mas é um dos campeões de reprises da Sessão da Tarde.

7 – Te Pego Lá Fora (Three O'Clock High – 1987): Sou capaz de afirmar que esse filme só foi exibido na Sessão da Tarde. Vi várias vezes sempre com o mesmo prazer. O filme conta a história de Jerry Mitchell (Casey Siemaszko) um estudante que trabalhava no jornal da escola. Seu grande erro foi tentar entrevistar o maior brutamontes do colégio. O cara era tão grosso que não suportava ser tocado. Jerry cometeu esse erro e começou a ser perseguido. É uma deliciosa história!

8 – Os Goonies (The Goonies – 1985): Uma adorável história com a marca Spilberg. Precisa dizer mais? Histórias de caça ao tesouro rendem sempre divertidos filmes. The Goonies é assim. Além daquela música da Cyndi Lauper que foi um super hit tinha o Jeff Cohen protagonizando aquele adorável glutão. Inesquecível!

9 - Sem Licença Para Dirigir (License To Drive – 1988): esse é mais um campeão de reprises da sessão da tarde. A dupla “Corey Haim (Les Anderson)” e “Corey Feldman (Dean)” junto com a gatinha do momento (da época) “Heather Graham (Mercedes)”, protagonizam essa comédia. O filme conta a história de Les Anderson que sonha em tirar a carteira de motorista, um símbolo de liberdade na sociedade americana. Reprovado no teste, Les passa a enfrentar situações que garantem boas risadas. O filme é um clássico adolescente da década de 80. Inesquecível!

10 - Namorada de Aluguel (Can't Buy Me Love) – 1987): Ronald Miller (Patrick Dempsey) é um jovem tímido e trabalhador, que sempre sonhou em ser popular no colégio. Quando ele descobre que Cindy Mancini (Amanda Peterson), uma garota linda que todos os garotos paqueram, está precisando de 1000 dólares, tem a grande ideia: emprestar o dinheiro em troca dela fingir ser sua namorada. Ela topa e, com sua ajuda, ele acaba se tornando um dos garotos mais populares do colégio.Inesquecível!

O REVOLVER MUDOU MINHA VIDA

Por: Sidclay Pereira - Posso dizer que existe uma vida antes e depois o Revolver.

Eu já conhecia Beatles, claro! Help foi a música que marcou uma parte da minha infância, despertando meu interesse não apenas como apreciador, mas como um fã de música. A partir de Help eu comecei a buscar música e não apenas esperar que ela viesse até mim através do rádio ou TV, o que era de costume para a grande maioria das pessoas.

Em 1993 eu estudava num colégio no centro de Recife que ficava a cerca de 200 m de uma famosa loja de discos que misturava coisas novas com raridades (uma das poucas do gênero que ainda hoje existe). Era um oásis para colecionadores naquela época.

Fiquei durante três semanas visitando a loja, apreciando aquele amontoado de Lp´s, camisas e VHS, cd ainda era algo apenas para quem tinha muito dinheiro. Numa tarde de terça-feira fui lá para comprar o meu primeiro LP! De certa forma eu estava orgulhoso, saí de casa na certeza de comprar um disco!!! Havia juntado três semanas de mesada!

Eu não sei exatamente o porquê, mas naquele dia eu larguei mais cedo, fui até a loja e me direcionei à prateleira que continha os discos dos anos 60, lá estavam os lp´s dos Beatles entre outros nomes como Elvis, Rolling Stones, Credence Clearwater Revival e The Mamas & The Papas. Como eu já conhecia alguns discos dos Beatles, decidi comprar aquele que me pareceria mais desconhecido.

Olhei aquela capa em preto-e-branco com uma colagem de fotos misturadas a 4 desenhos que representavam John, Paul, George e Ringo. Eu conhecia apenas duas músicas: Yellow Submarine e Eleanor Rigby. Comprei o Revolver, paguei exatamente Czr. 14.000,00. Peguei o ônibus com aquele monte de gente subindo quase ao mesmo tempo enquanto eu tentava proteger o vinil para que não amassasse ou quebrasse.

Cheguei e fui logo colocando o bolachão pra tocar. O que aconteceu em seguida foi algo que eu simplesmente não consigo descrever.

Uma voz fazia uma contagem “one, two, three, four” e entrava uma batida de guitarra com uma voz firme e logo em seguida uma bateria seca e marcante e depois um backing vocal. As lembranças são bem fragmentadas, mas me recordo de uns acordes de um instrumento para mim totalmente estranho (Love You Too), um riff de guitarra totalmente desconcertante (She Said She Said), um naipe de metais (Got to Get You Into My Life), uma voz que parecia lamentar algo (For No One), uma música que parecia vir de longe e se materializar (I Want To Tell You) e, por fim, uma coisa tão estranha e fascinante que até hoje me faltam palavras pra descrever (Tomorrow Never Knows).

Lembro claramente da minha reação, eu ficava no terraço me perguntando o que é isso? Que banda é essa? Que instrumento é esse? Quem canta isso? Me parecia que essa não era a banda que eu já conhecia há alguns anos.

A partir daquele momento, despertei um interesse em conhecer música, em busca de coisas novas (mesmo que sejam antigas), de descobrir novos sons, melodias, vozes, arranjos. De certa forma, aquela tarde e o Revolver moldaram minha personalidade. Creio que até hoje procuro aquela sensação, cheguei perto algumas vezes, mas nenhuma com tanta intensidade. Se hoje eu tenho o costume de “garimpar” cd´s e dvd´s em todas as lojas e cidades que visito, de ter a coleção que tenho, isso aconteceu graças ao Revolver e aos Beatles e aquela tarde de 1993.

O Revolver mudou minha vida!

RELICÁRIO - VOL.02 - A SOMTRÊS E PAULO RICARDO

Essa é uma relíquia jurássica que traz uma curiosidade. Na edição de maio de 1985, a “Revista Somtrês publicou uma matéria exclusiva com a banda inglesa “Iron Maiden”. A grande curiosidade era o correspondente da revista em Londres: Paulo Ricardo (foto 03). Em 1985 ele já não era mais jornalista da Somtrês. Havia fundado a banda RPM e despontava como grande nome do rock brasileiro. A foto que aparece na matéria é de 1983, quando Paulo teve a honra de viajar com o Iron pela turnê europeia.Confira abaixo:

Clique na imagem para ampliar

DEZ DISCOS OBSCUROS DE NOMES FAMOSOS

Por: Sidclay Pereira - Outro dia estava ouvindo um disco solo de Mick Jagger que tenho desde a adolescência e percebi como é bom e, mesmo assim, pouco conhecido. A partir desse momento, comecei a elaborar uma lista de discos obscuros de nomes famosos, porém estava ficando enorme e então decidi fazer um apanhado de 10 álbuns internacionais. Como toda lista, esta pode ser criticada à vontade!

Hindu Love Gods (Hindu Love Gods) (1990) – Esse é praticamente um disco de covers do R.E.M. sem o Michael Stipe nos vocais. Os três membros da banda se juntaram ao vocalista Warren Zevons para homenagear nomes como Robert Johnson, Muddy Waters, Woody Guthrie, Bo Diddley e Willie Dixon. O resultado é um excelente álbum que apresenta clássicos como Mannish Boy e Travelling Riveside Blues em versões bem inspiradas.

Mick Taylor (Mick Taylor) (1979) – Tido por muitos como o melhor guitarrista dos Rolling Stones é também ex-John Mayall and The Bluesbreakers. Taylor lançou uma obscura obra-prima como seu primeiro disco solo. Aqui é possível ouvir seu slide guitar, seus solos instigados e elegantes e melodias bem construídas. Um disco raro, mas que precisa estar na coleção de todos que apreciam o trabalho de um excelente guitarrista.

Music From The Body (Roger Waters) (1970) – Antes de fazer duas turnês mundiais no século XXI, antes de liderar o The Wall Live in Berlim, antes de sair do Pink Floyd falando muito, antes de escrever todas as letras de Dark Side Of The Moon, Waters fez esse disco com o Ron Geesin. É a trilha sonora de um documentário sobre o corpo humano e praticamente todas as músicas apresentam sons retirados do próprio corpo humano. É possível nesse disco perceber de onde veio o experimentalismo do Pink Floyd e ainda tem a participação de todos os membros da banda em Give Birth A Smile.

Raoul and The Kings of Spain (Tears For Fears) (1995) – Segundo disco após a separação da dupla, Raoul and The King of Spain apresenta uma banda bem diferente dos “hits” Shout e “Everybody Wants to Rule The World”. Destaque para a música título, Falling Down e a balada flamenca Sketches of Spain (uma alusão a Mils Davis?). Disco recomendável para todos que gostam de arranjos bem elaborados e letras inspiradas.

Carl & The Passion (The Beach Boys) (1972) – Não é o Beach Boys do Pet Sounds, não é nem sequer o Beach Boys de Brian Wilson, ele pouco participou da elaboração desse disco. É impressionante como a banda se reinventou, melodias com influência gospel; arranjos inventivos e grande destaque ao instrumental (normalmente davam uma atenção maior aos vocais). Destaque para Marcella que acena para o que iriam produzir a partir desse momento, porém Here She Comes é a melhor faixa.

Beatles for Sale (The Beatles) (1964) – é uma grande provocação e para alguns até um sacrilégio incluir qualquer coisa dos Beatles como obscura. Porém, esse disco nunca frequenta a lista dos preferidos dos beatlemaniacos ou dos simples apreciadores. Tem pérolas como I´ll Follow the Sun, No Reply e Baby´s in Black, além de covers melhores que os originais como Rock and Roll Music, Kansas City e Everybody´s Tryin´ To Be My Baby. Foi um disco feito às pressas para aproveitar o natal de 1964, mas é um discaço!

Wandering Spirit (Mick Jagger) (1993)– terceiro álbum solo do vocalista da “Greatest Rock´N´Roll band in the world”, pode-se ouvir um disco consistente, maduro e criativo com a presença do ainda iniciante Lenny Kravitz. Jagger faz um disco que apresenta música tradicional britânica (Handsome Molly), funk (Use me), soul (I´ve Been Lonely for So Long), rock (Wired All Night e Mother of a Man) e Stoneana (Put me in the trash). Recomendado não apenas aos fãs dos Rolling Stones.

K (Kula Shaker) (1999) – Primeiro disco da banda. Seria uma coleção de clássicos, caso tivesse sido lançado nos anos 70, nos anos 90 não causou tanto impacto. O disco é excelente da primeira à última faixa. Consegue trazer para a atualidade a sonoridade dos anos 60 com influência oriental. Destaque para Knight On The Town e 303. Pra quem gosta de rock´n´roll é quase impossível não curtir o K.

Walls and Bridges (John Lennon) (1974) – último disco solo de músicas inéditas, após esse ele faria o disco de cover Rock´N´Roll (1975) e depois dividiria o Double Fantasy (1980) com Yoko Ono. Trabalho excelente em todos os sentidos, a capa diferente de tudo que havia sido lançado até o momento. É o John Lennon atento ao que se produzia na época como em #9Dream e Whatever Get´s You Thru The Night (essa com Elton John), músicas aparentemente saídas do Abbey Road como Steel and Glass e What You Got e a belíssima Nobody Loves You When You´re Down and Out (que frase!). O disco menos famoso é, provavelmente, o melhor de Lennon.

Wild Life (Wings) (1972)– Primeiro álbum da recém formada banda de Paul McCartney, foi ensaiado e gravado em apenas duas semanas! Registra um pouco dos dias pós-beatles e toda a turbulência dos processos envolvendo os ex-membros como em Some People Never Knows e Dear Friend. Paul dá um show à parte no vocal da música título e ainda temos o hit Tomorrow.

EU E MINHAS TRALHAS

Sempre fui criticado por pessoas próximas (familiares e amigos) por ser uma pessoa que venera o passado. Tinha brigas homéricas com minha mãe porque ocupava o meu guarda-roupas e invadia o dela com um monte de tralhas que ninguém sabia o porquê de guardar. Outro dia recebi em casa um grande amigo de infância. Enquanto conversávamos mostrei-lhe, numa prateleira ao lado, a minha coleção de Revistas Bizz. Líamos compulsivamente esse periódico dedicado à música e esperávamos, ansiosos, pelo número seguinte. Sobre o fato de eu ainda conservar minha valiosa coleção de revistas, meu fraterno amigo, friamente, comentou: “Se fosse lá em casa minha mulher já tinha jogado fora”.

Pensei comigo: “Se minha mulher fizesse isso, me separaria dela”. Minha casa ficaria muitíssimo mais arrumada e organizada sem as minhas “coisas”, minhas tralhas, como dizem. Mas seria uma casa sem alma, sem as coisas de que gosto. Seria uma casa vazia. Bonita aos olhos dos outros – que, francamente, pouco me importam – mas não seria o meu lugar.

A internet aumentou minha ligação com o passado porque subverteu a ordem cronológica das coisas. O passado está logo ali, basta um clique. Esse maravilhoso anacronismo é a prova cabal de que não estou sozinho. O Google transformou-se num gigante desenterrando as memórias do passado e colocando-as lado a lado com o mundo pós-moderno. Todos os dias, quando sento diante do meu pecê, valho-me desse recurso que me surpreende diariamente. Recorro ao passado quase que cotidianamente. Reformulo ideias, reciclo conceitos e vou criando as minhas bases para caminhar no presente sem temer o futuro. Vivo.