26 ANOS DA TRAGÉDIA DE ARMERO E DO OLHAR DE OMAYRA

Basta uma breve investigação para concluir, sem muito esforço, que a “Tragédia de Armero”, ocorrida no dia 13 de novembro de 1985, poderia ter sido evitada. A cidade ficava localizada a aproximadamente quarenta quilômetros de distância do cume do vulcão ativo Nevado del Ruiz. Durante anos, vulcanólogos e geólogos colombianos e estrangeiros alertaram para o perigo de existir uma cidade ali tão próxima de um vulcão em plena atividade.

Outro detalhe que condenava a existência de uma cidade ali: a região tinha um histórico de várias catástrofes. Em 1595 uma avalanche de neve e lama varreu dois rios, Guali e Lagunillas, matando 636 pessoas. Em 1845 outra avalanche no Lagunillas matou mais mil pessoas. A grande avalanche percorreu cerca de setenta quilômetros em direção à foz do rio. Depois que os detritos se solidificaram, uma grande planície fértil se formou. Exatamente nesse local foi erguida a cidade de Armero.

A Tragédia Anunciada

No dia 13 de novembro de 1985 o  Nevado del Ruiz entrou em erupção. Logo nas primeiras atividades, uma imensa avalanche de lama, provocada pelos derretimento da neve do cume e pela grande quantidade de cinzas, percorreu quarenta quilômetros e atingiu a cidade de Armero soterrando e matando cerca de 23 mil pessoas. O acidente lembrou uma outra clássica tragédia, o soterramento da cidade de Pompéia por ocasião de uma grande atividade vulcânica no monte Vesúvio.

Depois do fato consumado, abriu-se uma discussão que concluiu o óbvio: a tragédia poderia ter sido evitada. Dias antes do soterramento, o  Nevado del Ruiz deu vários sinais que entraria em erupção. As autoridades colombianas foram avisadas pelos geólogos, mas ignoraram o perigo. A macabra foto que ilustra esse post é a imagem mais triste da tragédia de Armero. A garota Omayra Sanchez, de apenas 13 anos, ficou soterrada até a cintura por cerca de três dias. Quando foi encontrada, o grupamento de resgate não conseguiu retirá-la  da vala em que ela estava. A cinza misturada com a lama solidificou-se rapidamente como se fora uma mistura de concreto. Omayra morreu e a publicação dessa triste foto correu o mundo gerando uma grande polêmica e muitas críticas às autoridades colombianas. Triste demais! Confira abaixo, imagens do  Nevado del Ruiz.

Comments

One response to “26 ANOS DA TRAGÉDIA DE ARMERO E DO OLHAR DE OMAYRA”

Sarah Tancredi disse...
16 de novembro de 2011 16:05

É tão doloroso que me faltam palavras para comentar... Lamentável... Tristíssimo...

if (myclass.test(classes)) { var container = elem[i]; for (var b = 0; b < container.childNodes.length; b++) { var item = container.childNodes[b].className; if (myTitleContainer.test(item)) { var link = container.childNodes[b].getElementsByTagName('a'); if (typeof(link[0]) != 'undefined') { var url = link[0].href; var title = link[0].innerHTML; } else { var url = document.url; var title = container.childNodes[b].innerHTML; } if (typeof(url) == 'undefined'|| url == 'undefined' ){ url = window.location.href; } var singleq = new RegExp("'", 'g'); var doubleq = new RegExp('"', 'g'); title = title.replace(singleq, ''', 'gi'); title = title.replace(doubleq, '"', 'gi'); } if (myPostContent.test(item)) { var footer = container.childNodes[b]; } } var addthis_tool_flag = true; var addthis_class = new RegExp('addthis_toolbox'); var div_tag = this.getElementsByTagName('div'); for (var j = 0; j < div_tag.length; j++) { var div_classes = div_tag[j].className; if (addthis_class.test(div_classes)) { if(div_tag[j].getAttribute("addthis:url") == encodeURI(url)) { addthis_tool_flag = false; } } } if(addthis_tool_flag) { var n = document.createElement('div'); var at = "
"; n.innerHTML = at; container.insertBefore(n , footer); } } } return true; }; document.doAT('hentry');