A TORCIDA DO SANTA E OS PSEUDO-ANALISTAS


A torcida do Santa Cruz, nos últimos cinco anos, vem sendo alvo de teorias mirabolantes que tentam explicar o seu avassalador crescimento mesmo estando, o time, mergulhado numa das maiores crises de sua história. O que me chama atenção é o esforço dos torcedores adversários em tentar desmerecer os grandes feitos dessa imensa torcida. Antes falavam que a multidão lotava o Arruda porque o preço do ingresso era barato. Nos últimos jogos, os preços praticados  foram maiores do que nos jogos da série B, mesmo assim a torcida deu show.

Há cerca de quinze dias, mais ou menos, estive em Fortaleza e vi um imenso bandeirão do Santa tremulando num edifício da praia de Iracema. No hotel, estava com meu grupo de viagem tomando umas e outras e testemunhei um show de arrogância e dor de cotovelo de um torcedor da Coisa que quase pulou no meu pescoço de raiva porque falei que a torcida do Santa Cruz era a maior do estado. O cara virou bicho e destilou uma rosário de argumentos chulos e refutáveis tentando justificar o injustificável: a torcida do time dele só é grande em pesquisas feitas por amostragem que não chegam nos locais mais pobres onde a torcida do time do povo impera.

Agora vem essa matéria de um pseudo-psicólogo colaborador da Veja que atribui ao “masoquismo” o fato da torcida não arredar pé do estádio mesmo nos momentos mais críticos. No ótimo blog do tricolor de estirpe, Clovs Campêlo, li uma colocação de um outro tricolor, Renato Boca de caçapa (kkkk) que retrucou a colocação do tal psicólogo da Veja: Pergunta a esse psicólogo de merda por que é que o Íbis, o pior time do mundo, e que até hoje não ganhou nem um campeonato de porrinha, não tem uma grande torcida. Ele e Freud que me desculpem, mas se essa teoria estivesse correta, o Mais Querido e o Clube das Multidões seria o Pássaro Preto de Santo Amaro, o clube da TSAP, e não o Santinha. Manda ele se lascar que eu vou é tomar mais uma”.

Sonho com o dia em que o IBGE incluirá no seu rol de perguntas: “Qual o seu time do coração?”. Por que? Ora, o pesquisador do IBGE vai em todo buraco, não se limita a corredores, nichos, sites, ele vai de porta em porta, na favela do papelão, no Coque, no Arruda, não se limita a shoppings ou blocos de carnaval. Enquanto esse dia não chega, vamos vendo a torcida do Santa dar show e os enciumados criando suas pseudo-teorias.

Comments

2 Responses to “A TORCIDA DO SANTA E OS PSEUDO-ANALISTAS”

Sidclay disse...
10 de novembro de 2011 16:32

Bela postagem!
Não tem nada que eu possa dizer nesse momento que não seja Obrigado por colocar em palavras o sentimento de uma nação!

10 de novembro de 2011 17:40

Não é de hoje que somos o "clube das multidões", afinal ciumeira tem em todo lugar e não haveria de ser diferente com a coisa.rsrsrsrs
Apeles Duarte.