A ESTAÇÃO CENTRAL DO RECIFE E O CENTRO CULTURAL QUE NUNCA CHEGA

A Estação Central do Recife, inaugurada em 25 de Março de 1885 pela Great Western, é um grande patrimônio da memória ferroviária do Brasil. Na década de oitenta, depois da inauguração do Metrô do Recife, a Estação Central foi reformada e sua área de desembarque transformada num museu a céu aberto incorporado ao Museu do Trem, inaugurado em 1972. Tão importante quanto a área externa, era a área interna do museu que contava com um rico acervo iconográfico dos trens que fizeram parte da história ferroviária do nordeste e do Brasil.
Pois bem, todo esse rico acervo encontra-se inacessível a visitação pública. Em 2007 a imprensa noticiou com grande euforia a instalação do “Centro Cultural Banco do Brasil” no local. O prédio foi cercado por tapumes e uma placa informava que a obra estava a cargo da  “Concrepoxi” (Foto acima). Enviei e-mail à empresa pedindo informações sobre a data de conclusão e detalhes da obra. Não obtive retorno. Dias depois, ao passar diante da “obra”, uma surpresa: a placa da  Concrepoxi havia sido retirada e os velhos tapumes de madeira estavam sendo substituídos por uma cerca de zinco (Foto abaixo).
Perguntei a um dos homens que trabalhavam na cerca se havia previsão sobre a data da  conclusão da obra. Disse-me ele: “Rapaz, estão querendo inaugurar em março ou maio do ano que vem. Vão fazer outra licitação”. Mas não já tinha uma empresa trabalhando aqui, indaguei. Ele explicou: “A outra obra tava quase concluída, não sei porque tudo ficou parado por um longo período. Os tapumes apodreceram e os 'malocas' invadiram, quebraram tudo e picharam as paredes. Agora vão ter que refazer quase tudo de novo”.

Enquanto essa burocracia se arrasta, a ferrugem e a sujeira estão destruindo um rico patrimônio da cidade do Recife. Quem é responsável por esse absurdo? Confira nas fotos abaixo:



Comments

5 Responses to “A ESTAÇÃO CENTRAL DO RECIFE E O CENTRO CULTURAL QUE NUNCA CHEGA”

Sidclay disse...
23 de novembro de 2011 19:30

Talvez fique pronto com a aproximação das eleições... É a vida eleitoral, infelizmente!

23 de novembro de 2011 21:05

Uma tragédia, eu que sou um amante de trens e ferrovias, frequentei o museu áarias vezes e não cansava de admirar as velhas locomotivas, triste notícia para a memória do Recife.

25 de novembro de 2011 07:55

Lamentável. O Brasil devia cuidar melhor da pouca memória que ainda dispõe.E ainda querem rentabilizar o turismo como alternativa econômica. Desse jeito, tá dificil!

Bruno Monteiro disse...
25 de novembro de 2011 23:10

E o viaduto do Complexo de Salgadinho? Se para fazer um viaduto leva-se esse tanto de tempo (duas gestões de governo de Estado) que dirá um Museu do Trem em restauração. Agora tem a Igreja do Carmo, em Olinda, primeira igreja carmelita da Amrica Latina, fechada desde a Década de 70 para restauração. Sai tudo ano que vem, coincidentemente, ano de eleição/inauguração?! é isso?
Desculpem o desabafo, mas é que é difícil!
Abraço,

Bruno.

Artur Melo disse...
10 de janeiro de 2013 05:06

Há também a obra do Camelódromo 01 (Próximo a Praça Sergio Loreto)que é da mesma época, Lembro-me que na II Conferencia Municipal de Cultura (Recife), se colocou como uma das obras de prioridade a transformação deste Camelódromo em um ponto de comercialização e Ponto de Cultura Compartilhada aos moldes da Economia Solidária, e depois este trabalho de reforma junto com a estação Central foi para o Prometropole (Gov. do Estado, Recife e Olinda - Jarbas, João Paulo e Luciana Santos) e dai pra frente esta desta forma.